sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES (09/12)

Foz Côa
09.12.1609 – Viagem de Severim de Faria – 22ª Jornada, 9 Quarta Feira – De Moncorvo a Vila Nova de Foz Côa há duas léguas, a primeira até o rio de caminho de serra, e a maior parte de outra por um fresquíssimo vale que já descrevemos, o restante desta légua é uma subida de uma serra altíssima, a qual desce em profundíssimos vales tão íngreme e alcantilada que mete pavor aos que olham para baixo e contudo pela multidão da gente está toda esta empinada costa cultivada de vinhataria excelente e de muitos figueirais e olivedos que se lhe colhe muito fruto. A Vila está no alto deste outeiro, em uma grande planície que dali por diante corre. É muito fresca e abundante de trigo, grãos, vinho e figos de que daqui há saqua, e se lhe colhem pela maior parte da veiga que disse. Chama-se Foz Côa porque junto dela pelas raízes orientais deste monte foi com a sua foz o Côa entrando no Douro. Tem a vila seiscentos vizinhos todos lavradores e gente rica e pia, o que bem mostra a fábrica da igreja, as muitas confrarias que nela há e as oblações que oferecem que são de muita consideração ao Abade a quem a igreja rende um conto de réis e é da apresentação de Sua Majestade. De Vila Nova de Fozcôa a Muxagata há uma légua. É de trezentos vizinhos e a igreja é da comenda de Longroiva e aqui fizemos de noite.

09.12.1768 – Passada carta de Familiar da Inquisição de Coimbra ao bacharel João Gonçalves Quintão, natural da freguesia de Urros e morador na vila de Moncorvo, “pela boa informação que temos de sua geração, vida e costumes (…) casado com Isabel Antónia da Fonseca e confiando dele que fará toda a diligência, consideração, verdade e segredo, tudo o que por nós lhe for mandado e pelos inquisidores cometido…”
09.12.1866 – Decreto aprovando os estatutos da Associação dos Artistas de Mirandela.
09.12.1894 – Notícias tiradas do nº 164 do jornal “O Moncorvense” desta data:
- Em Alfândega da Fé não pagam ao juiz e ao delegado há 15 meses e aos empregados do julgado há 2 anos, alegando o município falta de dinheiro, mas um ex-tesoureiro está com 1 200$000 réis há vários anos, sem pagar juros. Pede-se, por isso, uma sindicância à câmara. E outra à Irmandade de S. Antão da Barca, onde há suspeitas semelhantes.
- Diz-se que foi nomeado lente de theologia do seminário de Bragança o rev. António Acácio de Castro Valente, parocho da Cardanha; comunica-no-lo um colega daquele nosso amigo. Não acreditamos, salvo se…
- Por não querer ir parochiar a freguesia do Larinho, foi suspenso o padre Alípio José Alves, encomendado de Felgueiras, deste concelho. A suspensão foi como paga de antigos serviços, pelo que nos consta; sendo assim, achamo-la justa e merecida: o que recompensa os benefícios, cumpre um dever que tão esquecido é nesta épocha d´ingratidão!
- Dizem-nos que Sª Exª Verª vae dar 300$000 réis do seu bolso ao encomendado que for para o Larinho; porque tendo a freguesia 25$000 réis de congrua e 20$000 réis de pé d´altar, não quer Sª Exª sujeitar parocho algum a tanta privação. É muito justo porque assim o exige o decoro da classe sacerdotal e o prestígio da mesma, para se não verem muitos sacerdotes entregues a mercancias e negócios vis que tanto rebaixam o clero, nivelando-o com qualquer negociante de carnes ou vendedor d´azeites, ou ainda menos. Bem haja Sª Exª que tão bem interpreta para si e para outros as sábias determinações dos concílios e decretos da Egreja, de que é ilustre ornamento.
- Alguém nos informa que vai ser suspenso, por não querer abandonar o Colégio para parochiar o Larinho, o nosso colega de redacção padre Adriano Guerra. Em atenção a ele temo-nos abstido de entrar em apreciações de muita coisa que necessitavam ser discutidas. É bom que se convença agora de que não é invulnerável e de que melhor seria o ter deixado desafrontar os outros para se não ver agora afrontado injustamente a si. Não o tem querido, aí tem… Nisto como no mais, vê-se só a boa vontade de Sª Exª Verª para com Moncorvo. Agora quer acabar com O Colégio!... Parece-me que o não consegue!
- Está instalada nesta vila provisoriamente uma fundição de sinos. Já foram fundidos alguns e em especial um para Vila Real e vão ser fundidos dois da torre da nossa igeja que se partiram, tendo a data de 1728.
- Por legado de Manuel António d´Azevedo, recebem-se propostas para a construção duma escola em Vila Flor – base de licitação de 2 810$000 réis; outra em Santa Comba – base 1 200$000 reís.
09.12.1930 – Aprovação dos Estatutos da Associação Comercial e Industrial de Freixo de Espada à Cinta.
António Júlio Andrade

Reedição de posts desde o início do blogue.

Sem comentários:

Enviar um comentário