quarta-feira, 30 de julho de 2014

Festival Intercéltico de Sendim (FIS)

Banda de Gaites El Trasno"
Quinze anos passados sobre a primeira edição, o Festival Intercéltico de Sendim (FIS) assume-se como uma "referência da música folk no país" e como uma iniciativa cultural que saiu de uma "ousadia um pouco louca".
"Há 15 anos, aquilo que parecia ser uma ousadia um pouco louca, dado que se tratava de realizar um festival de música fora dos grandes centros, numa zona que à data estava condicionada pelos acessos, quando demos por ela, o FIS era já uma referência na zona transfronteiriça do Norte de Portugal e Castela no que respeita à música folk", disse hoje à agência Lusa o diretor do festival, Mário Carreia.
O FIS começa na sexta-feira em Miranda do Douro e termina no domingo em Sendim, uma vila do mesmo concelho.
Na opinião dos mentores da iniciativa, apesar de alguns condicionalismos geográficos e de infraestruturas e outros equipamentos, o FIS é o exemplo de uma loucura muito saudável por terras transmontanas.
"As pessoas vieram, as pessoas acreditaram e fidelizaram-se ao festival, e vêm desfrutar da terra, da paisagem, da cultura, da gastronomia ou do espirito de aventura", acrescentou.
Quando se estava no ano de 2000, altura em que se arrancou com o festival, a organização do FIS reconhece, que este tipo de iniciativa não era "muito comum" por estes territórios, " agora há vários tipos de iniciativas viradas para música folk e tradicional que acontecem um pouco por toda a região.
"O que é certo, é que Sendim surge à cabeça dessa tendência e as pessoas fidelizaram-se ao festival", remata Mário Correia.
Pelo FIS já passaram nomes sonantes da folk como os Altan, Kepa Junkera, Hevia, Oysterband, Milhadoiro, Né Ladeiras, Brigada Vitor Jara, Galandum Galundaina, entre outros.
O Largo D. João III, em Miranda do Douro, acolhe pela primeira vez a abertura do festival (sexta-feira) com as atuações dos escoceses Calum Stewart & Heikki Bourgault e dos portugueses Ginga.
Já no segundo dia, e de regresso a Sendim, os castelhanos Celtas Cortos marcarão presença no festival, sendo que a formação era aguardada há alguns anos na festa da folk ibérica.
Passarão ainda pelo Palco das Eiras (Sendim) - nos únicos concertos com entradas pagas - os escoceses Calum Stewart & Heikki Bourgault, bem como os cantábricos Cahórnega e a tão "surpreendente como inovadora
Banda de Gaites El Trasno", proveniente das Astúrias.
Para além da música haverá uma série de atividades paralelas que preencherão os " tempos mais mortos do festival e que vão desde a apresentação de livros até à evocação de antigos gaiteiros.
Dada a sua "vitalidade " o FIS vai integrar uma rede europeia de festivais dedicados à música de raiz folk e tradicional que engloba seis países composta por festivais que acontecem em Portugal, Espanha, França, Itália, Irlanda e Inglaterra que vai integrar de forma experimental este novo conceito.

A 15ª edição do FIS, organizada pela Sons da Terra e com apoios institucionais da Câmara de Miranda do Douro, Junta de Freguesia de Sendim e Governo do Principado das Astúrias.
Lusa

1 comentário:

  1. No ano passado ainda passei por lá, este ano estou de molho.... Mas estou lá em pensamento.

    ResponderEliminar