sexta-feira, 29 de junho de 2012

ADRIANO VASCO RODRIGUES – UMA REFERÊNCIA

António Pimenta de Castro[1]

 Conheci pessoalmente o Senhor Professor Adriano Vasco da Fonseca Rodrigues, já há alguns anos, vão quase para trinta, quando me encontrava a fazer uma visita habitual ao meu saudoso amigo, Dr. Armando Pimentel, na sua casa situada nos Estevais de Mogadouro. Sempre que me era possível, quando terminava as aulas na Escola Secundária de Torre de Moncorvo, a caminho do meu domicílio, Mogadouro, fazia um pequeno desvio e parava sempre na casa do Dr. Armando Pimentel, aristocrata no sangue e fidalgo de fino trato, para uma amena cavaqueira, direi mesmo, uma pequena tertúlia, com este grande intelectual transmontano e, por vezes, com ilustres intelectuais, que o visitavam, ou mesmo gente do povo, que ele tanto estimava. Digo pessoalmente, porque alguns dos seus trabalhos já os conhecia e muito me falava dele o meu querido amigo e colega na Escola de Moncorvo, o saudoso Sr. Padre Rebelo. Aquando da homenagem feita ao Dr. Casimiro Henriques de Moraes Machado, escreveu o Sr. Padre Joaquim Manuel Rebelo:”(…) Creio que foi em 1960 que encontrei, novamente, o Dr. Casimiro no Vale da Vilariça, num acampamento de alunos de um liceu do Porto, dirigido pelos meus ilustrados amigos, Padre Dr. Domingos de Pinho Brandão e Dr. Adriano Vasco Rodrigues (…). Estes estudantes estavam a realizar escavações arqueológicas, superiormente orientados pelos referidos professores. O Dr. Adriano escreve primorosamente na língua de Camões e sobre incontáveis temas, salientando eu os regionais. De facto as raízes são fundamentais para a identidade de um povo e de um país. Para mim é, também por isto, uma verdadeira referência.

O Dr. Adriano Vasco Rodrigues, embora nascido na Guarda, é um verdadeiro transmontano, também pelo coração. O Dr. Adriano é uma das minhas maiores referências transmontanas, juntamente com o Abade de Baçal, o Dr. Casimiro Machado, o Abade Tavares (de Carviçais), o Sr. Padre Rebelo e o próprio Dr. Armando Pimentel. O Dr. Adriano Vasco Rodrigues, grande amigo do Dr. Armando Pimentel, tem feito ultimamente vários apelos para que a maior biblioteca particular de Trás-os-Montes, e não só…(que é a do Dr. Armando), seja preservada, tendo-me “incumbido” de falar deste problema ao seu amigo Dr. António Guilherme de Moraes Machado, Presidente da Câmara Municipal de Mogadouro, para levar a bom termo esta justa aspiração.
Não vou falar aqui do seu brilhante curriculum quer como intelectual, investigador, escritor, etnógrafo, arqueólogo, deputado, pedagogo, fundador e director de revistas (Altitude, Lucerna, OR e Ensino de Angola). Publicou: “mais de cem livros e separatas que revelam as importantes incursões nos mais variados campos da História da Arte, a par dos trabalhos de vanguarda da Pré-História Peninsular e da Pré-História em Angola”[2]. E não vou falar desta vasta actividade, por várias razões: porque existem várias e extensas referências a este assunto, desde Enciclopédias, ao “Dicionário dos Mais Ilustres Transmontanos e Alto Durienses” (volume I, Guimarães -1998, páginas 530, 531 e 532 e a Dr.ª Maria da Assunção Carqueja Rodrigues na página 542); porque nesta homenagem, por certo alguns colaboradores a irão referir e, finalmente, porque quero dar o meu testemunho pessoal, quero falar de actividades em que estive envolvido pessoalmente com o Dr. Adriano Vasco Rodrigues. Resta acrescentar que, para além das actividades supra mencionadas, há um tema comum que o Dr. Adriano Vasco Rodrigues e eu temos em grande estima: o interesse pela História dos Judeus em Portugal. Na realidade para além de livros e outros estudos que o Dr. Adriano Vasco Rodrigues publicou sobre os judeus em Portugal (nomeadamente na revista Altitude) ele foi fundador (sócio nº1) da Associação de Amizade e Relações Culturais Portugal-Israel (1979), de que foi Presidente da Direcção, e, agora Presidente Honorário da Associação de Amizade Portugal-Israel de que eu também sou sócio (caso curioso e altamente honroso para mim é que o meu cartão de sócio da referida Associação de Amizade Portugal-Israel, tem a assinatura (carimbo), como Presidente da Direcção, do Dr. Adriano Vasco da Fonseca Rodrigues e está datado de 1988, que eu guardo religiosamente no meu arquivo pessoal). Para coroar o mérito da sua carreira, o Dr. Adriano Vasco Rodrigues é Director Jubilado da Schola Europaea, foi agraciado com vários louvores e condecorações, nomeadamente com a Comenda da Ordem do Infante D: Henrique.   
Das actividades em que eu participei, ou assisti cronologicamente, foram as seguintes: Em 1988 estive, em Mogadouro, com o Dr. Adriano Vasco Rodrigues na Comemoração do Centenário do nascimento do nascimento do Casimiro Henriques de Moraes Machado, promovida pela Câmara Municipal de Mogadouro. Desta Homenagem foi publicado um opúsculo com as palestras efectuadas pelo Dr. Adriano Vasco Rodrigues, Dr. Armando Calejo Pires e eu próprio; no mesmo ano de 1988, prefaciou e apresentou o livro do seu grande amigo Dr. Casimiro Henriques de Moraes Machado “Mogadouro – um olhar sobre o passado”; no ano de 2001, elaborou um trabalho intitulado “O Pelourinho de Mogadouro”, na Revista Nº 2, de Dezembro, do “Fórum Terras de Mogadouro”, páginas 9 a 11, sendo directores desta revista: António Moraes Machado, António Pimenta de Castro e Maria da Natividade Ferreira; em 2004, escreveu o livro “Provérbios de Origem Sfardita no interior da Beira e em Trás-os-Montes”, editado pela Câmara Municipal de Mogadouro, em que tive o prazer de assistir ao seu lançamento; em 2006 , em co-autoria com Maria da Assunção Carqueja Rodrigues, o excelente livro “Felgar- História, Indústrias Artesanais, Património”; em 2008 (Novembro) colaborou na Revista “Campos Monteiro”nº 3, em Novembro, com o artigo “Torre de Moncorvo e o alvorecer do Japão no Ocidente” , onde eu colaborei com o artigo “Guerra Junqueiro – Epicurista” e onde tive o privilégio de participar no seu lançamento, finalmente em Janeiro de 2011, foi apresentada na Escola Secundária Dr. Ramiro Salgado, de Torre de Moncorvo, a Revista Nº 1, do “Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social (CEPIHS), onde Dr.ª Maria da Assunção Carqueja Rodrigues e o Dr. Adriano Vasco Rodrigues apresentaram um texto intitulado “Dissertação a propósito da Implantação da República em Torre de Moncorvo”. Eu participei nessa revista com um artigo sobre “O Projecto de Guerra Junqueiro para a bandeira da República”. Esta revista também foi apresentada na Escola Secundária Dr. Ramiro Salgado em Moncorvo e foi feita uma homenagem a estes dois investigadores.
Foi, para mim uma honra poder falar do Dr. Adriano Vasco Rodrigues e assim prestar-lhe a minha sincera homenagem, bem como à Dr.ª Maria da Assunção Carqueja Rodrigues, símbolos das altas virtudes destas gentes tão honradas. Estes investigadores honram Trás-os-Montes e o nosso país. Bem hajam!

                                                                     António Pimenta de Castro
                                                                    Mogadouro, Setembro de 2011                 


[1] Docente de História no Agrupamento de Escolas de Torre de Moncorvo, investigador, escritor, membro da Academia de Letras de Trás-os-Montes e colaborador da revista EPICUR.
[2] - Revista do Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social (CEPIHS), nº1, págima248, Palimage, Coimbra, 2011.

2 comentários:

  1. Mais um grande texto do professor Pimenta de Castro,desta vez sobre outro grande homem que Moncorvo tanto deve.Tem que escrever um texto sobre os nossos poetas populares.
    Leitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas suas palavras. Estou disposto a escrever sobre os poetas populares. O amigo Pimenta de Castro

      Eliminar