quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

TORRE DE MONCORVO - CENTRO HISTÓRICO


(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)


(Reedição de posts desde o início do blogue)

5 comentários:

  1. No tempo dos carteiros Teodorico, Abel e Emílio não era preciso o nome das ruas. Eles conheciam toda gente. Agora é necessário distinguir entre Outeiro e Balbino Rego,Quebra-Costas e Infante D.Henrique, Rua do Cano /Visconde de Vila Maior ,Rocio /Regateiras /General Claudino, Corredoura/cidade universitária, rua do Cabo/eng Duarte Pacheco E, há mais! E se o carteiro é das aldeias ou do leste e nada sabe? Aí vai um GPS dos antigos: sai do Correio no castelo ,(que não é), desce as escadas e, cuidado, se for em linha recta bate na fonte que regressou ás origens, entra na rua das Flores,nos anos cinquenta ,tempo desta crónica, um vereador /dótore pediu que se alargasse a rua. Não chegaram a acordo; se se deitava abaixo o lado direito ou esquerdo ou entremearar(ganhavam dois largos) Agora o roteiro da rua das Flores e Regateiras:
    Não tem nada que enganar,do lado esquerdo ;primeiro ,o soto das Zirras, segue-se por ordem ,padaria Paiva com moletes sêmeas, pão de 4 codornos e papo secos /paivinhas, soto do Cautela(ferragens & ferrugens),vivia por cima, era pai da Lena que se reformou do ensino por terras de Leiria, o soto do sr. David, fazendas e cinco portas para a rua e um banco tipo escano para a cavaqueira ,pai do Manel que faz versos pró blog do colégio, por cima viveu o doutor Pinto ,advogado ,professor do colégio e vindo de Lisboa em 36,chegou a presidente concelhio da União Nacional ,pai do Afonso que se suicidou e da Lili que casou com o irmão da Mité ,a primeira dona da casa da avó ,a mercearia do Sr. Baptista, sempre de bata de cotim(sócio do Sr. Moreira) e finalmente o Café Moreira (com bilhares no 1º andar)terminava com a Tcherimgalha a fazer amêndoas cobertas no tempo que se utilizava o amendoim prós turistas. Primeira forma: lado direito, ,soto do Sr. Herculano(vendia a manteiga da Silveira com um selo de chumbo(?!),o lugar de hortaliças da Balouca, soto do Camelo(de tudo um pouco, mercearias ,polvo e bacalhau secos, pendurados na porta)por ultimo a agência funerária do Tchico . Leandro. Quando abraçava as pessoas media-lhe as costa com palmos(futuro cliente!) Estamos em pleno largo do Rossio/Regateiras/Claudino , bomba de gasolina da SONAP,caixotes de tchicharros e sardinhas da Amélia do Bitcho e um velho a vender melões da vilariça ,casa do Dr. Horácio (Presidente da câmara nos anos 50( mandou dinamitar as fragadas da Lousa e Estevais para lá chegarem os carros e a GNR ) do lado esquerdo ,oficina de sapateiro do senhor Eugénio,taberna do Cadorna, Migas ,Zé Tabolado sapateiros e fregueses a tempo inteiro e a barbearia do Sr. Adelino, à direita o adro a igreja e o senhor Júlio sacristão. Abandona a estrada para o Cabo e vira à direita, casa do Dr. Lima ,nasceu na Cardanha ,professor do colégio pai da Lela e do João (com balcão)de um lado e a Sª do Coberto(quem a cobriu?) do outro.
    Aqui me fico, mas volto já a seguir como se diz na SIC.
    Só conto o que sei e sem rigor
    H.E.j.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Sr conhecia o Sr Teodorico? Eu sou da familia dele.... Pode me dar mais informacoes por favor. Obrigado olgagondim@gmail.com

      Eliminar
  2. No cabo faltou o SAP ( Senhor Anastácio Pançudo pesa...), o NOZES essa figura maior do nosso imaginário infantil, o Martinho polícia, pai do Mido,este ainda hoje uma grande referência de uma geração de Moncorvenses pelo seu espirito aventureiro, etc. Ao grande cronista H.E.j, só lhe temos a agradecer este reavivar de memórias da nossa infância, continue e obrigado.

    ResponderEliminar
  3. O SAP era um código dos caixeiros viajantes.Os fregueses de sempre
    sabiam as regras da casa e diziam aos novatos ,no inicio da sua
    carreira pelos sotos da bila;Cuidado com as sopeiras, lembra-te do letreiro que está por cima do portão!!;SAP "são algumas p".Nem tudo que vem à rede é peixe. Entendeu? A canalha do cabo ,guitcheza treinada na praça nova ,não ia em senhores ,era mesmo o sacana do….
    As fotos deixaram-me espetado de estaca no começo do Cabo. Perguntem ao sargento de dia do blogue para onde martchamos?Largo da Gnr ,rua do Hospital ,corredoura ou cabo abaixo até à caseta?Bamos dar a bolta à bila. Fixe,omo diz o meu sobrinho,bota lá bué ,como diz o filho do meu sobrinho. Quem te encomendou o sermão?Bai trabalhar prá ribeira,bardino,bagueiro!boca da minha tia da coirredoira (toma!)bou esperar sentado(na cadorna ou na Silvinaa , que passou o tasco ao Lino,o do peixe do Sabor,bogas de escabetche no armario com rede e sem vidros para as moscas u tcheirarem e morrerem de raiva.o binho era do larinho,fracote!a retrete ,como hoje ,atraz do adro ).Vosso H.E.j

    ResponderEliminar
  4. Sylvie Dupont Moreira :qu'est ce que j'ai pu me promener dans cette rue surtout les soirs de la fête, que de souvenirs aie aie aie

    ResponderEliminar