quarta-feira, 2 de novembro de 2016

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES (02/11)


Caçarelhos
02.11.1297 – Carta do rei D. Dinis fixando os limites do termo de Mirandela.
02.11.1319 – Criação de uma feira franca em Torre de Moncorvo, com a duração de um mês, a começar 15 dias antes da Páscoa. Foi a primeira do género criada em Trás-os-Montes.
02.11.1758 – Demarcação dos terrenos de Castanheiro e Ribalonga, freguesias de Carrazeda de Ansiães que ficam pertencendo à região demarcada do Douro.
02.11.1837 – Três empregados da Justiça de Vimioso foram à aldeia de Caçarelhos executar uma diligência: um foi executado, outro ferido e o terceiro conseguiu fugir, da justiça popular.
02.11.1915 – O jornal “Povo de Fozcôa” transcreve o seguinte edital que apareceu afixado na porta da igreja matriz:
Edital – Faz so publico que nesta vila não se vai trabalhar na qutuvra das vinhas a podar a tar ou erguer menos de 400 reis por dia todo aquele que for pur menos será perso pelos outro ô prarios e será amarado au puleirinho desta vila e luvara 60 varadas de que da u dus outros esto é, e todas as vinhas a si como naquintas do pocinho.
asi como na a panhada da azeitona se fará a mesma qousa de greve. Homis… 400 reis. Mulheres… 160 reis.
este será comprido por que temos o govaverno anos so favor. Corte Real, ámen. Miguele.
Comentário do mesmo jornal: - Mas se isso é pouco (300 e 120 réis as geiras) como explicar que as 18 ou 20 tabernas que tem a vila estejam todas as noites cheias de fregueses?
António Júlio Andrade

Reedição de posts desde o início do blogue.

8 comentários:

  1. Três empregados da Justiça ,a velha troika...
    virou-se o feitiço contra o feiticeiro .Tenho que ir a Caçarelhos prestar a minha homenagem às vitimas

    ResponderEliminar
  2. Obrigada ao A.J.Andrade por nos facultar,desta maneira tão leve, o conhecimento de nós mesmos: a nossa história. Através este precioso meio de conhecimento ficamos a saber, desta vez, a duração das feiras e o papel da justiça;e ficámos também a conhecer, pasme-se! quão grande era a diferença de remuneração entre homens e mulheres

    ResponderEliminar
  3. Tem alguma piada o comentário final...

    ResponderEliminar
  4. Arinda Andrés disse:Um belo texto a informar, desta vez sobre o papel da justiça.

    ResponderEliminar
  5. 1837 - Aquilo é que foi mesmo "Justiça Popular" !

    1915 - Edital - os camponeses tinham a certeza de que eram explorados: exigiam o aumento de 100 reis para a jeira de homem ( 300 para 400 ) e de 40 reis para a jeira de mulher (120 para 160). Tinham uma ideia bem clara do que era fazer greve. Mas ainda não tinham a mais leve ideia de que em condições de trabalho iguais, o salário do homem e da mulher deve ser igual. Seria necessário esperar muitos anos para que isso fosse legislado. Está no papel. Mas... ainda hoje nem sempre é praticado.

    ResponderEliminar
  6. João Vicente escreveu:Eu, pelo contrário, talvez por se tratar de uma diligência a cargo de uma troika, é com todo o gosto, 176 anos depois, que, simbolicamente, presto a minha homenagem à justiça popular de Caçarelhos.

    ResponderEliminar
  7. E foi assim que, na escola, se aprendeu, também, batendo os melhores, nos mais fracos.
    Mas aí é diferente, claro!
    E vejam, já agora, a importância de Moncorvo, nessa altura, sublinhe-se. A primeira feira franca de Trás-os-Montes! Com a duração de um mês!

    ResponderEliminar
  8. Também agora nos deparamos com certas habilidades ortográficas que fazem bem comparar com este edital.

    ResponderEliminar