domingo, 20 de novembro de 2016

TORRE DE MONCORVO - ASSIM NA VILA COMO NA ALDEIA (IV)



Corredoura e Larinho.
Abra a imagem numa nova janela para poder ampliá-la.
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que 
pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação 
numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para 
poder ampliar uma segunda vez)


(Reedição de posts desde o início do blogue)

4 comentários:

  1. Emilia Frade: como é triste o ver essas casinhas abandonadas

    ResponderEliminar
  2. E o chupão de fora.Saindo do largo e entrando para o lado esquerdo,nessa pequena praça(?)está quase tudo em ruinas e para venda.Mete dó.

    ResponderEliminar
  3. Em 1999 fotografei a casa à esquerda, pois era nas suas escadas que as pessoas se sentavam para contar e ouvir contos. Os raparigos sentavam-se cá no fundo, no chão, ou deitavam-se numa manta ali ao canto ( Aí existia um forno).
    Foi de uma dessas fotografias que se fez a aguarela para a capa do livro "Contos ao Luar de Agosto".
    O chupão ainda não estava à vista. Mas devo acrescentar que o chupão não pertencia à casa principal. Pertencia a um cubículo onde viviam a Maria Manquinha e o marido mais dois filhitos. Ainda hoje não sei como ali viviam 4 pessoas. Em baixo era o cortelho do reco.
    Na casa maior, de que se vê a porta da entrada e uma porta lateral à esquerda - sem varanda nem varandim - , moravam a Menina Judite Gregório e o marido, o Xico da Aida (filho da Tia Aida) e que era alfaiate. (Foi com ele que aprendi a pregar botões em roupa de homem).
    É , de facto, uma tristeza ver aquela ruina. Mete dó.
    Creio que será a única casa, dessa traça, que existe na Corredoura. Ninguém a quer recuperar?

    Na casa de rés-do chão e 1º andar que se vê um pouco mais atrás, à direita, moravam a D. Aida (irmã do Dr. Ramiro Salgado) e o Sr. Antoninho, secretário do Colégio, com os filhos.

    Isto nos idos de '50 , no século passado.

    Júlia Barros

    ResponderEliminar
  4. Virgílio Armando Martins, ou Armando Martins Janeira, como ficou mais conhecido este homem da minha querida aldeia de Felgueiras, autêntico príncipe da diplomacia portuguesa, dizia que o principal motivo por que se apaixonou pelo Japão foi o facto de ser o único país do mundo onde não havia uma ruína, onde o passado e o presente estavam perfeitamente ligados. Esta é uma boa lição para todos nós. Júlio Andarde

    ResponderEliminar