segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Nordeste Transmontano - EFEMÉRIDES (21/11)

21.11.1652 – Ana Maria, a Faria, de alcunha viúva de João Peres, cristã nova, “que ensinava meninos” foi presa pela Inquisição de Coimbra. Este processo foi estudado pela Drª Ana Maria Afonso e publicado na revista Brigantia.
21.11.1865 – Ofício do administrador de Moncorvo informando o seguinte:
- Que o padre Carlos António de Campos foi nomeado em 15 de Janeiro de 1859 pela Santa casa da Misericórdia desta vila administrador dos bens da capela de Nª Sª da Conceição, por falecimento do padre Manuel dos Santos Leal e em virtude da disposição do testamento com que faleceu o padre Gonçalo de Aguiar (…) que quando apareceu a lei de 30 de Julho de 1860 julgando-se o mesmo padre Carlos nas circunstâncias favorecido por aquela lei porque era administrador (…) requereu ao poder judicial se julgassem livres e alodiais os bens de tal capela, visto não ter o rendimento exigido na dita lei; e obteve sentença favorável em 1 de Abril de 1682, cuja sentença mando por cópia. Entre a capela de Nª Sª e a propriedade assim tornada livre, havia um rego de agueirão ou aqueduto bastante fundo que ameaçava algum prejuízo ao prédio por via das águas e o tornava bastante defeituoso. Entre a propriedade e dois caminhos públicos havia uma língua de terra pertencente ao monte Roboredo (…) e o mencionado padre, ou por querer aformosear a sua propriedade ou para alargá-la, pediu à câmara esse pequeno trato de terra, que murou e incorporou na mesma propriedade. Agora posso afirmar (…) que a capela a tenho visto sempre limpa e asseada como nunca esteve (…) e se tem ali celebrado o santo sacrifício da missa…
Castedo
21.11.1904
– Grande barulho entre os moradores de Vilarinho do Castanheiro e os do Castedo, com o incêndio de muitas casas e palheiros nesta última povoação.

António Júlio Andrade


Reedição de posts desde o início do blogue

5 comentários:

  1. CASTEDO
    História

    Aldeia rústica do concelho de Torre de Moncorvo, situada numa encosta sobranceira a um profundo e apertado vale com cerca de 662 m de altitude, iniciando-se numa zona planáltica pela serra que vai aumentando lentamente em altura até à Lousa.
    Esta freguesia tem um povoamento muito antigo, sendo referida mais vezes nos forais e documentos de Vilarinho da Castanheira, pois pertenceu a este extinto concelho, em 1853.
    A estrada que liga Moncorvo à Lousa levou ao aparecimento de algumas construções ao longo da estrada, para norte, e muitas para Sul, o que permitiu tornar este povoado bem maior do que era em algumas décadas passadas.
    A aldeia de Castedo possui uma imponente e grandiosa Igreja Matriz, com uma torre sineira lateral e altares de talha dourada, toda em granito trabalhado, enquadrada por um adro também com muro de pedra. Nesta pequena localidade também se podem observar algumas casas apalaçadas e outras construídas sobre as rochas.
    http://www.torredemoncorvo.pt/castedo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a Guerra entr Castedo e Vilarinho aconteceu por q um senhor Abastado do Castedo fez uma afronta a meu Avõ Manuel Antonio Vicente-Rico ele foi levar carga em Carro de bois a cliente do Castedo já na aldeia ao atravessar um pontilhão estreito foi impedido por um residente famoso da Aldeia estava a cavalo em vez de dar passagem ao carro para seguir seu caminho forçou meu Avõ a recuar o carro de volta pra ele passar a cavalo meu avõ foi ofendido mas como estava na terra do outroe tinha de fazer a entrga se humilhou e recuou pro residente passar mas fitou o fulano jurando pra ele mesmo q ia ter forra fez a entrega e ao retornar a Vilarinho veio olhando pra ver se via o valentão e deu sorte avistou oem uma propriedade então parou o carro pegou um cajado invadiu o sitio e aplicou grande surra no abusado e voltou pra Vilarinho como o fulano era poderoso teve o apoio do povo pra invadirem Vilarinho e seguiram pra lá mas meu avo já dera noticias aos seus amigos e viram a horda do Castedo em pé de gurra avançando o povo de vilarinho foi ao encontro deles eles viram e recuaram retornando ao Castedo os Vilarnho foram a tras chegando lá a aldeia estava vazia todos fugiram deiaxaram so alguma idosa na igreja eles subiram e tocaram os sinos a ReBATEsem oposição voltaram para casa Vitoriosos depois por causa disso te ve outras escaramuças com outros abusados do Pinhal do Douro que desafiaram os rapazes de Vilarinho e apanharam tbm tendo de correr pra terra deles esta é a verdade do que!!!
      Ocorreu

      Eliminar
  2. Estas coisas da Inquisição...Nem é bom falar.
    Graças ao A.J.Andrade, ficamos a conhecer tantas coisas sobre a nossa terra e que de outro modo, não saberíamos.
    A.A.

    ResponderEliminar
  3. Também aqui deixo os meus agradecimentos ao A.Júlio Andrade por partilhar connosco tanta pesquisa e saber.

    Obrigada, Amigo. Um abraço.
    Júlia Ribeiro

    ResponderEliminar
  4. Parece que a mania de serem donos da terra deles já vem de longe.
    Eu também já tive que dar nas fuças a um "castedoense" por pensar que os de fora só podem entrar no Castedo com autirização dos seus dignos residentes.

    ResponderEliminar