quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Amadeu Ferreira - O mirandês que enfrenta os seus males com buona cara

O mirandês que enfrenta os seus males com buona caraAmadeu Ferreira é vice-presidente da CMVM, professor de direito e, como escritor, um dos maiores divulgadores da língua mirandesa.
Até chegar a Lisboa para tirar o curso superior de Direito, Amadeu Ferreira quase não se exprimia em português: "Aprendi a falar corretamente já em adulto... Na escola primária era obrigatório falar português, mas eu não dizia grande coisa. Já no seminário, em Bragança, era muito troçado pelos outros miúdos, pela forma como trocava as vogais: quando eram abertas eu dizia fechadas e quando eram fechadas eu dizia abertas..." Em Sendim, vila de Miranda do Douro onde nasceu e passou a infância, toda a gente falava em mirandês, língua em que começou a aventurar-se na literatura.

Aos 64 anos, o jurista que é vice-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e professor na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa é hoje um dos principais promotores da cultura mirandesa. Começou a escrever poemas, ditos populares e crónicas em mirandês ainda na adolescência, na imprensa regional em Trás-os-Montes. Assumiu pseudónimos como Francisco Niebro, com o qual escreveu Tempo de Fogo, em mirandês La Bouba de La Tenerie (A Tonta da Teneria, que é um lugar em Sendim), um romance sobre a temática histórica da Inquisição, que foi o primeiro a ser editado nas duas línguas oficiais de Portugal.

Fonte: http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4279254

1 comentário:

  1. Grande Homem,grande nome da cultura.
    Abraço carinhoso de

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar