terça-feira, 27 de outubro de 2015

FELGUEIRAS - ARRAIAL


Nota: Para abrir a página(ampliar a foto), clique no lado direito do rato ;abrem as instruções, e depois clique em abrir hiperligação

Reedição de posts desde o início do blogue

3 comentários:

  1. Não é bem o arraial mas sim a festa de lá em baixo, a festa dos moleiros, a festa da Senhora dos Prazeres, a festa da Pascoela...nomes diferentes para a mesma realidade. É a festa dos folares, celebrada npo campo, na margemesquerda da ribeira de Santa Marinha. O poema retrata perfeitamente a ambiência da aldeia até aos anos 70. J. Andrade

    ResponderEliminar
  2. ESTE AMBIENTE TAMBÉM ME FAZ LEMBRAR OS BAILES DE URROS, POIS CLARO!
    TININHA

    ResponderEliminar
  3. O arraial..de Felgueiras fez com me lembrasse de um pequeno texto poético que escrevi a 27/04/2008,influenciado por uma fotografia primaveril relativa ao Santuário de Nossa Senhora do Amparo onde, para além do manto verde do espaço sagrado, me saltou à vista uma linda flor junto de banco de granito " solitário".

    Escrevi então, o que agora reproduzo:

    As crianças, nas mantas,adormeciam
    Na noite do Arraial,a direita do portão.
    No céu,do Vale,os foguetes faziam grande torpor
    E, no bazar, disputavam-se chouriças ao som do petardo.
    Que, muitas das vezes,eram disputas de amor!
    Outros,com o vinho,recordavam façanhas de bardo
    Não se importando,zangados,em destilar desamor.
    Pela madrugada, farejava-se prostituta,qual javardo
    Ademais, cogitava-se vingança de pavor.
    A todos,sorria,protectora,a Sªdo Amparo
    Pela Primavera,na relva, saltitavam meus cordeiros.
    Quais criaturas,amigas,que tanto se alegravam
    E,a Senhora,sempre atenciosa e verdadeira.
    Aos zeladores dizia: deixai -os pelo que lutavam
    A branca flor,olhando o banco,é linda e parceira.
    À espera da solidão, acompanhada, dos que acreditavam
    E, também,de muitos de fora e dos humildes da jeira!

    ResponderEliminar