sexta-feira, 28 de novembro de 2014

"Alma de Ferro" - Levam o teatro aos cantos do interior

Nasceu há seis anos num antigo celeiro em Torre de Moncorvo. A pequena companhia lançou-se na arte de representar peças de autor integradas no Plano Nacional de Leitura.
A Associação GAFT – Alma de Ferro surgiu há cerca de seis anos pela mão de 13 pessoas. Nasceu num antigo celeiro para levar o teatro a várias terras do interior.
A hematite (óxido de ferro) que é extraída na serra do Reboredo, concelho de Torre de Moncorvo, serviu de inspiração para criar o nome do grupo de teatro.
Quiseram criar "um grupo teatral dinâmico que levasse a arte teatral ao interior e mostrar as artes cénicas a um público que está privado de produções teatrais mais elaboradas", conta Américo Monteiro, director da companhia de teatro.
Nascida num antigo celeiro, situado na antiga estação de caminho-de-ferro local, a pequena companhia lançou-se na arte de representar peças de autor integradas no Plano Nacional de Leitura, produções próprias ou figurações em diversas iniciativas na sua região de influência.
"Falar Verdade a Mentir", de Almeida Garrett, ou "O Morgado de Fafe Amoroso", de Camilo Castelo Branco, são apenas exemplos de peças que a companhia tem levado às escolas e "têm permitido percorrer outros caminhos com algumas inovações, quer ao nível da encenação ou direcção de actores".

"Temos participado em festivais de teatro, em feiras medievais e festas de Natal, mas também temos levado o teatro a meios pequenos que nunca tinham visto uma peça teatral", conta Américo Monteiro, realçando a "forte adesão do público", sobretudo quando se "trata da estreia de uma peça".
Uma companhia dos 16 aos 57 anos
Para além da representação, os elementos da companhia têm a seu cargo a criação e a construção de cenários, a costura e confecção do guarda-roupa, a iluminação do palco e a sonorização.
O grupo integra vários elementos, das mais diversas profissões, com idades entre os 16 e os 57 anos.
Esperança Moreno, um dos elementos mais antigos do grupo, refere que "a aprendizagem e o gosto pelo teatro têm vindo a evoluir ao longo dos anos". No GAFT - Alma de Ferro aprendeu "diversas técnicas".
Também a actriz Daniela Serra, geógrafa de profissão, salienta que o grupo a tem ajudado a uma "descoberta constante e permanente" de detalhes da arte teatral. "Mal eu sabia que depois de calcar ou picar algumas pedras iria descobrir este pequeno jeito", confidencia, revelando que a sua "veia teatral já estava a latejar e explodiu” há três anos.

Fonte: http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=30&did=170270

Sem comentários:

Enviar um comentário