quinta-feira, 23 de março de 2017

TORRE DE MONCORVO - GRANDE FEIRA MEDIAVAL



O programa completa será publicado amanhã. 

Exposição da Amêndoa e Amendoeira

Idosos do concelho visitam exposição da Amêndoa e Amendoeira
No âmbito do programa “Mãos na Arte”, integrado no plano de ação para 2017 da Rede Social de Torre de Moncorvo, os idosos das Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho participaram numa sessão sobre a amêndoa e a amendoeira, que teve lugar no Mercado Municipal.
A sessão contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, da Vereadora do Município,  Piedade Meneses, dos idosos, técnicas e auxiliares da Santa Casa da Misericórdia de Torre de Moncorvo e Lousa; Fundação Francisco António Meireles; Centro Social e Paroquial de Carviçais e Associação Sócio-Cultural e Recreativa de Felgar.
No decorrer da cerimónia a Vereadora do pelouro da ação social deu as boas vindas a todos os presentes, José Rachado falou sobre a cultura da amendoeira e a Rota da Amendoeira em Flor do concelho e Joaquim Morais sobre a confraria da amêndoa e o processo de certificação da amêndoa coberta. Os idosos visitaram ainda a exposição sobre a amendoeira e a amêndoa e viram todo o processo de elaboração das tradicionais amêndoas cobertas.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 16 de Março de 2017

Luciana Raimundo

terça-feira, 21 de março de 2017

Longa e próspera vida à Confraria da Amêndoa do Douro Superior.

                              CONFRARIA DA AMÊNDOA DO DOURO SUPERIOR (CADS)

Realizou-se em Moncorvo, no dia 5 de Outubro do corrente ano o Primeiro Capítulo da Confraria da Amêndoa do Douro Superior, segundo o programa que se expõe:
Às 10h teve lugar na Taberna do Carró um Porto de Honra em que a amêndoa foi rainha: desde o licor de amêndoa, amêndoa torrada e coberta até à enorme variedade de pasteis de amêndoa, que em nada ficaram a dever aos bolos conventuais.
Às 11 horas, no salão do Celeiro, deu-se início à cerimónia de Entronização dos Confrades, apadrinhada pelo Grão-Mestre da Confraria dos Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro, António Monteiro, segundo o ritual usado neste tipo de cerimónia. Estavam presentes cerca de 35 Confrades. O Grão-Mestre da novíssima Confraria é Edmundo Dias. 
Às 12h e 30 m. foi levado à cena, pelo grande Grupo de Teatro Amador moncorvense  Alma de Ferro,  o conto de Júlia Biló  “Zé Leitinho”. Dominou a boa disposição, tendo os actores terminado com uma canção tradicional sobre a amendoeira, que foi cantada em coro por actores, confrades e público.
Às 13h e 30m, no Santuário de Nª Sª do Amparo, no Felgar, foi servido um almoço de confraternização. (Almoço gourmet, à base de pratos em que a amêndoa esteve sempre presente.).
Durante o almoço usaram da palavra vários Confrades:
Quim Morais que agradeceu a presença e a ajuda da CEGTMAD, o Grão.Mestre António Monteiro, o Confrade-Mor João Leonardo, Rogério Rodrigues e o Director Regional da Agricultura do Norte. 
Nas suas intervenções referiram a importância e as potencialidades da amêndoa nesta região, pelo que a Confraria da Amêndoa do Douro Suoerior (CADS) pode ter um papel relevante na defesa e promoção do valor natural, bem como cultural deste produto.
O almoço terminou com algumas ofertas aos Confrades:
. o livro de Lois Ladra “A CULTURA DA AMÊNDOA NO DOURO SUPERIOR –  História, Tradição e Património” , previamente comentado pelo Confrade Rogério Rodrigues;
. uma caixa de Amêndoa sem Pele Biológica pela empresa Amendouro.
Finalmente, o Confrade Quim Morais informou sobre um protocolo de parceria entre a Confraria da Amêndoa e a rede SANA HOTELS, em que estes oferecem benefícios aos Confrades.
Longa e próspera vida à Confraria da Amêndoa do Douro Superior.

 Júlia Guarda Ribeiro.

Fotografia enviada pelo Camané


TRÁS OS MONTES - Tempo de espargos













Taberna do Carró. A.F.M.

Fim de Semana do Espargo Selvagem e da Amêndoa Tradiciona


Nos dias 25 e 26 de Março realiza-se em Torre de Moncorvo a primeira edição do Fim de Semana do Espargo Selvagem e da Amêndoa Tradicional.

A iniciativa pretende divulgar os pratos confeccionados com os espargos selvagens, que dão vida a várias receitas nesta época, ao mesmo tempo que se promove a doçaria tradicional de amêndoa, tão típica de Torre de Moncorvo.
Esta iguaria pode ser apreciada nos vários restaurantes aderentes no Lagar, Taberna do Carró, Típico e Pingo, em Torre de Moncorvo, no Ti-Churrascão e Bô Café, no Larinho, na Cozinha Regional  e o Artur, em Carviçais, e no Romanzeira, na Açoreira.
A iniciativa é da Confraria da Amêndoa do Douro Superior e da Associação de Comerciantes e Industriais de Moncorvo e conta com o apoio do Município de Torre de Moncorvo.
Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 16 de Março de 2017

Luciana Raimundo

quinta-feira, 16 de março de 2017

“O Douro à Volta do Mundo – Magellan World”

Foto Lb
"Queremos angariar novos negócios e alinhar a região com novos mercados e promover Portugal”, diz Alberto Tapada da AETUR.
A Associação de Empresários Turísticos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR) promove o projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” e vai trazer diversos operadores turísticos de vários pontos do globo à região.
Ao todo, serão 14 operadores vindos da Europa, América e Ásia e estarão no Douro de 17 a 21 de março. Alberto Tapada, da AETUR, refere que “estes parceiros comerciais vão estar atentos aos serviços da região” sempre no sentido de “conhecer as unidades hoteleiras, as múltiplas ofertas regionais e os circuitos integrados que podem comercializar, nas variáveis de Turismo, Vinho e Cultura”. O percurso começa no Porto e, ao longo dos 4 dias, os empresários estarão em diversos locais do Douro para analisar todos os aspetos turísticos da região.

Bragança com 22 quilómetros de ciclovias num plano de desenvolvimento de 25 milhões

As principais avenidas da cidade de Bragança vão ganhar novas faixas destinadas a ciclistas numa rede de 22 quilómetros de ciclovias previstas num plano de investimentos superiores a 25 milhões de euros, apresentado na noite de terça-feira.
As ciclovias chamaram a atenção na apresentação pública do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Bragança (PEDU), com vários projectos para realizar até 2020, durante a vigência do actual Quadro Comunitário de Apoio, que garante a fundo perdido 16 dos mais de 25 milhões de investimentos previstos, cabendo o restante montante à Câmara Municipal.
 Os cerca de três milhões de euros para intervenções nas avenidas João da Cruz e Sá Carneiro não são os projectos de maior montante do plano global, mas foram o foco da sessão por se tratarem de duas das mais importantes artérias de Bragança.

Torre de Moncorvo - Festa


Douro Superior -Autárquicas

Artur Xavier, que em dezembro do ano passado se demitiu da presidência  da concelhia do PSD de Foz Côa, é candidato independente à Câmara Municipal nas próximas eleições autárquicas, com o principal apoio do CDS.
Em declarações à Rádio F, Artur Xavier, de 44 anos, Engenheiro Agro-Florestal, mas nas funções de diretor de departamento numa multinacional, adiantou que, desde que abandonou a concelhia do PSD, teve muitos apoios de vários quadrantes políticos para avançar com uma candidatura independente à Câmara. UNE – Uma Nova Esperança é o lema da candidatura, que segundo Artur Xavier, tem o apoio de pessoas de vários quadrantes políticos.
O candidato independente ao Municipio de Foz Côa, que durante mais de 20 aos esteve ligado ao PSD, sublinhou que não se trata de uma candidatura que vá contra alguém, e que pretende apresentar projetos diferentes para o concelho.


Felgar- Silhades - Património Imaterial


BARROSO- Património Imaterial


sexta-feira, 10 de março de 2017

“Amendoeiras em Flor”

Os municípios do Douro Superior e do sul do distrito de Bragança começam a engalanar-se para receber as festividades das “Amendoeiras em Flor”, um espetáculo natural que anima a economia rural dos concelhos envolvidos.
Os concelhos de Mogadouro, Miranda do Douro, Freixo de Espada à Cinta e Moncorvo e Foz Côa (Douro Superior) promovem as suas atividades gastronómicas, culturais e económicas coordenadas pela Associação de Municípios do Douro Superior.
Aproveitando os tons brancos e rosa da paisagem natural que atraem alguns milhares de visitantes a este território, cada um dos territórios envolvidos faz a suas apostas culturais e gastronómicas para cativar os visitantes.
Fora do âmbito desta associação de municípios, também os concelhos como Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães e Vila Flor, no distrito de Bragança, elaboraram os próprios programas.
A música, a gastronomia, o desporto, e diversos certames de produtos tradicionais são os ingredientes para que o mês março seja “de excelência” nestes concelhos do interior Norte e Centro.

Fonte: http://www.mdb.pt/noticia/municipios-recebem-festividades-das-amendoeiras-em-flor-6209

Pastoral Penitenciária da Diocese de Bragança-Miranda

Bragança, 06 mar 2017 (Ecclesia) – A Diocese de Bragança-Miranda promove, dias 11 e 12 deste mês, as primeiras jornadas da Pastoral Penitenciária que inclui uma visita ao Estabelecimento Prisional de Izeda
A atividade, organizada pelo recém-criado Serviço de Pastoral Penitenciária da Diocese de Bragança-Miranda, conta com uma reflexão “Quem somos? Uma experiência pastoral em meio prisional”, pela Unidade Pastoral dos Estabelecimentos Prisionais de Custóias, Santa Cruz do Bispo (feminino) e Polícia Judiciária do Porto, realça uma nota enviada à Agência ECCLESIA.
Na tarde desse dia está prevista uma visita ao Estabelecimento Prisional de Izeda e à noite, no salão nobre da Escola Secundária Emídio Garcia, em Bragança, decorrerá a encenação da peça de teatro «Perdoar in palco vitae».
As jornadas encerram no domingo, dia 12, com uma eucaristia presidida pelo padre João Gonçalves, coordenador da Pastoral Penitenciária de Portugal, na igreja de Santo Condestável, em Bragança.
LFS

Lema d'Origem - convite


Milú avança com candidatura "pelas pessoas"

A concelhia do PS de Torre de Moncorvo aprovou ontem, o único nome apresentado como candidata pelo PS à Câmara Municipal.
Milú Pontes tem já uma enorme experiencia municipal, foi a primeira mulher a ganhar a Junta de Freguesia de Torre de Moncorvo por duas vezes, estando por dentro de todos os dossiers mais importantes da autarquia.
Em breve haverá a apresentação pública da candidata e mais tarde a apresentação de todos os números uns das listas (juntas de freguesia e assembleia municipal).
Como percurso político foi presidente da concelhia da JS, membro da assembleia municipal, presidente da junta de Freguesia de Torre de Moncorvo, e actualmente é vereadora da oposição, presidente da concelhia e a nível distrital e membro do secretariado do Departamento Federativo de Bragança das Mulheres Socialistas, membro do secretariado federativo do PS e foi ainda candidata a Deputada à Assembleia da República pelo círculo eleitoral de Bragança.


Fonte: http://www.diariodetrasosmontes.com/noticia/ps-de-moncorvo-aprova-milu-pontes-como-candidata-camara

Douro recebe operadores turísticos de vários locais do mundo


Foto do Arquivo do blog.
De 17 a 21 de março, o Douro vai receber 14 operadores turísticos de vários locais do mundo, numa ação de divulgação da região, integrada no projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World”, promovido pela AETUR – Associação dos Empresários Turísticos do Douro e Trás-os-Montes. 

Os operadores turísticos chegam da Austrália, Brasil, Estados Unidos da América, República Checa, Israel, China, Holanda, Espanha, Rússia, República Eslovaca, Bélgica e Alemanha. Os operadores vão entrar em Portugal pelo Porto e, ao longo de quatro dias, percorrer diferentes locais do Douro, sempre com uma prespetiva de fazer negócio. 
“Estes parceiros comerciais vão estar atentos aos serviços da região. Vêm conhecer as unidades hoteleiras, as múltiplas ofertas regionais e os circuitos integrados que podem comercializar, nas variáveis de Turismo, Vinho e Cultura. Temos que transmitir a sedução que o território exerce sobre as pessoas, é certo, mas também objetivar sobre questões práticas, como as diversas tipologias de alojamento, de restauração e de animação, a tipologia de quartos, acessibilidades, mobilidade regional, funcionamento de reservas e a forte imagem regional e todo o seu imaginário, como argumento de venda”, refere Alberto Tapada, um dos responsáveis pela AETUR.

CARVIÇAIS- III Feira do Pão

Foram vendidos mais de 200 pães e de 100 bôlas na Feira do Pão de Carviçais. 

Nos dias 4 e 5 de Março, teve lugar a III edição da Feira do Pão em Carviçais, que contou com a participação de sete "padeiras" locais. Esta edição, diga-se a da afirmação deste evento, com balanço muito positivo, pois foi sem dúvida a de maior vendas registadas e a de maior procura deste nosso produto de excelência, cada vez com maior número de visitantes.

Gastronomia : Salada de Azedas -


TORRE DE MONCORVO - MUNDO RURAL
















Fotografias enviadas pelo Camané

(Reedição de posts desde o início do blogue)



TORRE DE MONCORVO - 1955

Click na imagem para aumentar.
Fotografia enviada pelo Paulo Patoleia

Clique na imagem para aumentar ou abra a imagem numa nova janela para poder ampliá-la ainda mais.
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)

(Reedição de posts desde o início do blogue)

TORRE DE MONCORVO -CARDANHA / UNIVERSIDADE DE VERMONT

Click na imagem para aumentar.Notícia enviada por Carina Thibieroz
Clique na imagem para aumentar ou abra a imagem numa nova janela para poder ampliá-la ainda mais.
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)

(Reedição de posts desde o início do blogue)

Capela na Foz do Sabor

Click nas imagens para aumentar

Capela na Foz do Sabor - freguesia Cabeça Boa.

(Reedição de posts desde o início do blogue)

quarta-feira, 8 de março de 2017

Moncorvo - Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março. A ideia de criar o Dia da Mulher surgiu no final do Século XIX e início do século XX nos Estados Unidos[1] e na Europa, no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida e trabalho, de direito de voto. Em 26 de agosto de 1910, durante a Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas em Copenhaga, a líder socialista alemã Clara Zetkin propôs a instituição de uma celebração anual das lutas por direitos das mulheres trabalhadoras.
As celebrações do Dia Internacional da Mulher ocorreram a partir de 1909 em diferentes dias de fevereiro e março, a depender do país [1]. A primeira celebração se deu em 28 de fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, seguida de manifestações e marchas em outros países europeus nos anos seguintes, usualmente durante a semana de comemorações da Comuna de Paris, ao final de março.

DIA DA MULHER - Maria Violeira

MARIA VIOLEIRA from LB Produções on Vimeo.

Albertina Moreno , a Mulher, a Mãe.

Amadeu Ferreira - Biografia "O Fio de Lembranças" from LB Produções on Vimeo.

Freixo de Espada à Cinta

Freixo de Espada à Cinta from LB Produções on Vimeo.

domingo, 5 de março de 2017

Rio Douro - Monte Meão















Fotos de Henri Richard

A Quinta do Vale Meão nasceu em 1877, quando Antónia Adelaide Ferreira, então com 66 anos, quis arriscar na compra de 300 hectares à Câmara de Vila Nova de Foz Coa.
UMA GRANDE MULHER
D. Antónia Adelaide Ferreira (Godim, Peso da Régua, 4 de Julho de 1811 — Godim, Peso da Régua, 26 de Março de 1896) , mais conhecida por Ferreirinha, foi uma empresária portuguesa do século XIX.
Ficou conhecida por se dedicar ao cultivo do Vinho do Porto e pelas notáveis inovações que introduziu. A sua família era muito abastada. O pai, José Bernardo Ferreira casou-a com um primo, mas este não se interessou pela cultura da família e esbanjou grande parte da fortuna.
D. Antónia teve dois filhos: uma menina, Maria de Assunção, mais tarde Condessa de Azambuja, e um rapaz, António Bernardo Ferreira. Ficou viúva muito nova (33 anos), a viuvez despertou nela a sua verdadeira vocação de empresária.
Sabe-se que a Ferreirinha, como era carinhosamente conhecida, se preocupava com as famílias dos trabalhadores das suas terras e adegas. Apoiada pelo administrador José da Silva Torres, mais tarde seu segundo marido, Antónia Adelaide Ferreira lutou contra a falta de apoios dos sucessivos governos, mais interessados em construir estradas e comprar vinhos espanhóis. Debateu-se contra a doença da vinha, a filoxera e deslocou-se a Inglaterra para obter informação sobre os meios mais modernos e eficazes de combate a esta peste, bem como processos mais sofisticados de produção do vinho. A Ferreirinha investiu em novas plantações de vinhas em zonas mais expostas à radiação solar, sem abandonar também as plantações de oliveiras, amendoeiras e cereais.
A Quinta do Vesúvio, uma das suas muitas propriedades, era por ela percorrida e vigiada de perto. No ano de 1849 a produção vinícola era já de 700 pipas de vinho. Mercê de bons acordos, grande parte dos vinhos foi exportada para o Reino Unido, ainda hoje o primeiro importador de Vinho do Porto.
Quando faleceu, em 1896, deixou uma fortuna considerável e perto de trinta quintas. Do Douro para o mundo passou a lenda da sua tenacidade e bondade. Em 2004 a RTP2 exibiu uma série, da autoria de Francisco Moita Flores, onde se retratava a sua vida.
(Da internet)

Teresa Martins Marques e a Prof Doutora Manuela Barros Ferreira- a maior especialista do mirandês (in Biografia de Amadeu Ferreira)

TMM- Pode dizer-nos o que foi a “questão sendinesa”? 
MBF - Esse é um ponto crucial. Foi depois de o Mirandês já ter obtido o estatuto de Língua oficial que os sendineses foram confrontados com a situação de não terem estado suficientemente representados no grupo da convenção. Porque o padre Mourinho era um homem extraordinário, um autêntico sábio. Porém ele, e nós, os linguistas, tínhamos muitas dúvidas em relação ao Sendinês, porque escrever os sons sendineses tal qual se pronunciam, através dum alfabeto corrente, não é coisa fácil. Foi por isso que nos pareceu mais exequível tratar de unificar, antes de mais, a escrita mirandesa propriamente dita. Além disso, o Sendinês está na mesma situação que o Barranquenho e o Riodonorês: é falado apenas numa localidade. Escrever em Sendinês é escrever para muito pouca gente. Se se escrever em Mirandês... então com os mirandeses espalhados pelo mundo, que são gente duma criatividade extraordinária, tem capacidade de sobreviver por mais uns anos largos. E a escrita proposta pela Convenção pode ser lida de muitos modos. 
Cláudio Torres ,Manuel Barros Ferreira, Amadeu Ferreira,
Teresa Martins Marques e Leonel Britos
Aliás, eu já tinha feito um trabalho sobre as diferenças fonéticas do Sendinês em relação ao Mirandês. E tinha chegado à conclusão que o Sendinês é uma variedade do Mirandês, proveniente do mirandês antigo, ou leonês. Julgo que se trata de um dialecto não muito antigo do Mirandês, que se foi constituindo provavelmente a partir do século XVI.
Foi só depois de ter sido publicada a lei do reconhecimento oficial do Mirandês que conheci o Amadeu, ou seja, no Outono de 1999. Nessa altura mostrou-me um documento: “Manifesto para uma língua moribunda”, que era um manifesto a favor do Sendinês. E o Amadeu exigia, com a sua delicadeza natural, que o Sendinês também tivesse uma Convenção Ortográfica. Ele passou a ir ao Centro de Linguística, onde eu trabalhava, uma ou duas vezes por semana e conversávamos durante horas sobre questões linguísticas. Ele dava uma grande atenção às coisas que ouvia, porque eu lhe apresentava todos os argumentos que conhecia, e reflectíamos em conjunto sobre tudo. Pensámos os dois nas coisas e chegámos à conclusão que a escrita mirandesa, com algumas pequenas adaptações, podia servir perfeitamente para o Sendinês. Era uma questão de ler de outra maneira. Tal como acontece na grafia portuguesa: nós escrevemos “ou” e, em grande parte do país, lemos “ô”, não é? Nós escrevemos “louco”, “pouco” mas lemos “lôco”, “pôco”. Neste caso, a grafia normativa corresponde a uma maneira de falar que hoje está confinada ao norte, mas que certamente já existiu em todo Portugal.

TORRE DE MONCORVO - MINAS DE FERRO (1899)

Click na imagem para aumentar.
Jornal "O Século", em 27 de Março 1899
Notícia enviada por Francisco Pinto
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)


(Reedição de posts desde o início do blogue)

quinta-feira, 2 de março de 2017

NORDESTE TRASMONTANO – EXPORTAÇÕES


O quadro seguinte mostra o total das exportações de cada um dos concelhos do distrito de Bragança no ano de 2015. E também a comparação com os valores de 2013, verificando-se que 3 diminuíram as suas vendas ao exterior. Fonte: Instituto Nacional de Estatística.
Bragança      564 milhões euros.           Aumento de 278%
Vila Flor                    12       “                      Aumento de 35%
Mirandela                11.8    “                      Aumento de 22%
Mac. Caval.              8.3      “                      Aumento de 185%
Mir. Douro               7.1      “                      Aumento de 9%
Alf. Fé                        7.0      “                      Aumento de 274%
Vinhais                      1.700 “                      Queda de 69%
Mogadouro             1.100 “                      Aumento de 79%
C. Ansiães                 1.000 “                      Aumento de 278%
F. E. Cinta                 0.890   “                    Queda de 1.9%
Vimioso                     0.477 ”                      Aumento de 47%
T. Moncorvo           0.390 “                      Queda de 25%