segunda-feira, 5 de junho de 2017

O caso da barragem do Baixo Sabor, por António Manuel Moreira Durão

1 - INTRODUÇÃO
Encontramo-nos numa época em que cada vez mais os problemas ambientais e de gestão dos recursos naturais, variáveis dependentes e/ou independentes (conforme o nivel de análise) resultantes do processo de desenvolvimento, são fonte de uma preocupação global. A isto não é alheio o facto de estarmos perante uma sociedade dotada de maior consciência para os problemas sociais e ambientais que a rodeiam, ou seja, uma sociedade que Giddens (2000) designa de "reflexiva". Esta reflexividade é fruto da existência de maior conhecimento científico, de meios de comunicação mais sofisticados e da democraticidade desses mesmos meios. Na análise da relação sociedade/ambiente é de realçar o contributo prestado pela Sociologia do Ambiente cujos fundamentos se devem a Catton e Dunlap (2002). Estes autores argumentam que o paradigma subjacente à Sociologia detinha uma visão antropocêntrico no que dizia respeito à relação sociedade/ambiente e, em alternativa propuseram um novo paradigma com uma perspectiva ecológica da mesma relação. Todos os meios de socialização constroem nos indivíduos representações ou modos de pensar sobre o que os rodeia.

 Relativamente ao ambiente, as representações dos indivíduos podem divergir de indivíduo para indivíduo, o mesmo acontecendo em grupos e organizações e ainda entre comunidade científica. O buraco na camada de Ozono, as chuvas ácidas, o aquecimento global, a falta de água tanto potável como para fins agrícolas, água que é cada vez mais um bem escasso, são um pequeno conjunto de problemas - de um muito mais vasto conjunto - sobre os quais os actores sociais desenvolvem diferentes representações sociais. Por outro lado, temos a crescente dependência que a maior parte dos países vem tendo em relação ao petróleo como fonte de energia, sendo a subida exorbitante dos seus preços uma das causas da recessão económica que alguns desses países atravessam. Daí, a aposta em energias alternativas mais baratas e mais ecológicas. No caso de Portugal, esta aposta tem passado pela construção de barragens hidroeléctricas, como meio de suprir as carências energéticas do País. A Barragem do Baixo Sabor, uma das barragens que se destina ao fim anterior referido, servirá como pano de fundo empírico à nossa investigação.
Na origem de opções como a anterior, estão políticas e paradigmas de desenvolvimento. Se se tratarem de politicas em que o objectivo seja apenas o do crescimento económico e da utilização desregrada dos recursos naturais e tendo em conta o momento presente. estamos perante as premissas do paradigma funcionalista de desenvolvimento. Se as políticas tiverem em conta uma utilização eficiente dos recursos endógenos locais. pensando nas gerações futuras, estamos perante políticas assentes num paradigma territorialista e de desenvolvimento sustentável. O paradigma territorialista é o paradigma que mais eficiente e eficaz se tem mostrado, visto promover um desenvolvimento que envolve os agentes locais e não é imposto a partir do exterior (de cima). É com base nesta perspectiva de desenvolvimento que a politica de Desenvolvimento Rural proposta pela União Europeia se apresenta. Este modelo de desenvolvimento assenta num conjunto de políticas e medidas propostas pela União Europeia para promover o desenvolvimento das regiões rurais mais carenciadas. Dentro destas medidas podemos encontrar programas de grande importância como o LEADER e a gestão dos fundos estruturais, para subsidiar projectos de inovação e desenvolvimento em espaço rural, devendo estes projectos ter em conta a multifuncionalidade que o espaço rural encerra.
O objectivo deste trabalho é o de analisar as representações sociais que os jovens de
Felgar, Concelho de Torre de Moncorvo, têm em relação à articulação entre ambiente e desenvolvimento, no processo de desenvolvimento local, desdobrando-se em dois
pontos principais:
1° - Pretende saber- se, se concordam, ou não, com a construção da barragem e qual o motivo de tal opção; quais os conhecimentos que têm acerca do conceito de Desenvolvimento Sustentável; quais as funções inerentes ao espaço rural, onde vivem, se deverá apostar para o desenvolvimento da região.
2— Saber qual o grau de adesão ao Novo Paradigma Ecológico, num contexto global e no contexto local, ou seja, pretende saber-se, se as representações dos jovens de Felgar são mais ecológicas quando pensadas em termos globais, ou se a situação se modifica quando confrontados com a sua situação: a construção da Barragem do Baixo Sabor.
Assim, o objecto central de análise desta investigação é o da articulação ambiente/desenvolvimento em espaço rural, mais propriamente na freguesia de Felgar Concelho de Torre de Moncorvo.
A escolha da freguesia de Felgar deve-se ao facto de ser a freguesia que mais afectada vai ser com a albufeira da barragem em termos da perda de terrenos de grande produtividade agrícola no que respeito à produção de azeitona e amêndoa, o que tem provocado por parte de alguma população local, alguma contestação em relação à sua constrição.
Quanto à escolha dos jovens (idades compreendidas entre os 15 e os 29 anos de idade), deve-se ao facto de que terão tido uma socialização em que os problemas ambientais sido mais debatidos, essencialmente, na escola e na comunicação social.
A estrutura da presente dissertação consiste em seis pontos principais:
No primeiro ponto procede-se a uma introdução ao trabalho fazendo-se um enquadramento geral da problemática em análise, enunciando o objecto de estudo e o objecto empírico:
No segundo ponto faz-se a inventariação das metodologias adoptadas bem como da sua pertinência:
O terceiro ponto remete para a contextualização. Inicia-se com uma abordagem histórica e social à construção da Barragem do Baixo Sabor. A seguir é feito um diagnóstico físico (natural) e social ao Concelho de Torre de Moncorvo, Concelho a que a Freguesia de Felgar pertence;
O enquadramento teórico será apresentado e debatido no quarto ponto. Servirá de alicerce a investigação empírica subjacente a este estudo, ou seja, nele serão apresentados os principais conceitos que servirão de base à operacionalização desta investigação.
Está subdividido em vários segmentos teóricos, a saber: breve exposição o surgimento da Sociologia do Ambiente e principais autores. Catton e Dunlap com a perspectiva do Novo Paradigma Ecológico e os contributos teóricos de Beck e Giddens com a perspectiva Ambiente/Modernidade. A seguir serão apresentados os principais paradigmas de desenvolvimento: o paradigma funcionalista e o territorialista. O conceito de desenvolvimento sustentável também integrará este ponto. No enquadramento teórico faz-se, ainda, referência ao conceito de desenvolvimento rural e às políticas e medidas mais recentes da União Europeia sobre a matéria. Tendo em conta o objecto de análise finaliza-se o enquadramento teórico, com uma discussão em tomo do conceito de representações sociais e dos métodos utilizados para a sua análise.
Do quinto ponto faz parte a análise empírica da investigação. Confrontar-se-á a 
com os dados empíricos obtidos, acima de tudo testar-se-ã as hipóteses enunciadas.
Por último, no sexto ponto são expostas as conclusões, bem como algumas propostas
para investigações futuras.

Fonte:
ISCTE - Instituto Superior de Trabalho e da Empresa 
 Dissertação de licenciamento em sociologia e planeamento 
"Representações socias dos jovens face á articulação Ambiente / Desenvolvimento
O caso da barragem do Baixo Sabor
Orientada por : Prof.ª Dra. Aida Valadas de Lima
Realizada por: António Manuel Moreira Durão
Junho de 2005

Edição da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo
Fotografia do Camané
Publicado a 18/6/14

Sem comentários:

Enviar um comentário