sexta-feira, 16 de junho de 2017

Parque do Côa está numa situação de “auto-gestão”

O presidente da Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP), José Morais Arnaud, afirmou, no parlamento, em Lisboa, que o Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC) se encontra numa situação “insustentável”, de “completa auto-gestão”, sem administração nem trabalhadores.
“Pelo que sabemos, ainda não tinha sido indigitada qualquer pessoa para substituir o diretor do Parque do Vale do Côa (António Batista), que se aposentou, e a entidade encontra-se completamente à deriva”, alertou o presidente da AAP.
No parlamento, o presidente e o vice-presidente da AAP, Luís Raposo, defenderam que aquele património mundial deve ser vigiado por presença humana, sem prejuízo da utilização de tecnologias.
“A vigilância física é uma componente essencial do projeto do Côa e é uma obrigação do Estado garantir isso. Ela foi sendo suspensa ao longo dos últimos quatro anos, e acabou por desaparecer. Mas é essencial, não só para a proteção do património, mas também para dar emprego a uma região altamente deprimida”, sustentou José Arnaud.
Para a direção da AAP, a guardaria humana “é também essencial do ponto de vista didático, para dar respostas aos visitantes do parque”.
O deputado do CDS-PP, João Almeida, considerou que a falta de vigilância “é um problema estrutural” e receia que o ato de vandalismo, ao Painel Central de Arte Rupestre da Ribeira de Piscos, possa repetir-se, tendo em conta a situação do Parque.
A associação dos arqueólogos portugueses também alertou para o facto de a administração da Fundação do Côa ainda não ter tomado posse o que, com a aposentação do diretor do parque, faz com que todo o conjunto – incluindo o museu – se encontre “à deriva”.
“Há uma falta de consciencialização cultural que é preciso reduzir, divulgando a importância de um património tão valioso”, sustentou a deputada do PS, Gabriela Canavilhas.

Sem comentários:

Enviar um comentário