segunda-feira, 5 de junho de 2017

Rio Sabor -A velha ponte da Portela

 Ponte da Portela sobre o rio Sabor
Portugal, Bragança, Torre de Moncorvo
Arquitectura de comunicações e transportes, renascentista. Ponte de arco renascentista de tabuleiro plano, sobre 7 arcos de volta perfeita, com diâmetro diminuindo escalonadamente do centro para a margem, com talha-mares e olhais.
Descrição
Ponte em cantaria de granito, com tabuleiro plano, sustentada por sete arcos plenos; extradorso alinhado; diâmetro desigual mas idêntico pé-direito. O arco central apresenta maior diâmetro, tendo os arcos laterais pequenas diferenças de diâmetro entre si, diminuindo escalonadamente do centro para as margens. Os talha-mares, de tamanho desigual, apresentam secção triangular com degraus escalonados, existindo 6 a montante e 4 a jusante. Sobre os arcos existem sete olhais rectangulares. O tabuleiro é constituído por uma faixa de rodagem alcatroada e por dois passeios laterais, em lajes de granito, que excedem os paramento laterais da ponte sendo sustentados por mísulas; as guardas são em ferro.


Acessos

Integrada no traçado do IP 2 (EN 102), Km 55, entre Macedo de Cavaleiros e Vila Nova de Foz Côa

Protecção

Inexistente

Grau

3

Enquadramento

Ponte sobre o rio Sabor, localiza-se entre duas elevações. Cerca de 350 m para O., sobre um outeiro, situa-se a povoação medieval desertificada de Santa Cruz da Vilariça (v. PT010409020012).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comunicações e transportes: ponte

Utilização Actual

Comunicações e transportes: ponte com circulação rodoviária

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: João Lopes de Amorim (1644). MESTRE: Luís da Costa (1792).

Cronologia

Séc. 16 - Provável construção da ponte; 1758 - referida nas Memórias Paroquiais, como tendo sete arcos, dizendo-se que, antigamente, possuía no princípio um padrão com as armas reais, num dos lados e, do outro, a esfera armilar, do tempo de D. Manuel.

Características Particulares

Ponte quinhentista de grandes dimensões, constituindo desde o séc. 16 o principal local de atravessamento do Baixo Vale do Sabor. Possui talha-mares de secção triangular com degraus escalonados e olhais sobre os arcos.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Cantaria de granito, guardas em ferro, pavimento em alcatrão e lajes de granito.

Bibliografia

SALLES, Padre Ernesto Augusto Pereira de, Mirandela. Apontamentos Históricos, Mirandela, 1983; ANDRADE, António Júlio, Dicionário Histórico dos Arquitectos, Mestres de obras e de outros construtores da vila de Torre de Moncorvo, Brigantia, vol. 11, nº 3 / 4, Bragança, 1991.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Dicionário Geográfico de Portugal, vol. 37, nº 75, pp. 659-674

Intervenção Realizada

1644 - obras de remodelação efectuadas por João Lopes de Amorim por ordem da Câmara Municipal de Moncorvo; 1722 - obras de reparação do lastro da ponte danificado pelas cheias (ANDRADE, 1991); 1792 - obras de remodelação do tabuleiro efectuadas por Luís da Costa por ordem da C. M. de Moncorvo (ANDRADE, 1991); séc. 19 - remodelação da ponte.

Observações

*1 - Esta ponte integrava-se no antigo caminho que de Torre de Moncorvo se dirigia para N. em direcção a Bragança. Parte desta via ainda se conserva, tendo sido destruído junto à ponte pelas obras de construção do IP2. *2 - A construção de uma ponte com estas dimensões justifica-se devido às frequentes cheias no Baixo Sabor, provocadas pela proximidade da sua foz no rio Douro. Junto ao extremo E. do tabuleiro existe um marco granítico assinalando a altura atingida pelas águas nas maiores cheias.

Autor e Data

Paulo Amaral e Miguel Rodrigues 1997
Fonte:http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=542
Foto A.F.M.

Sem comentários:

Enviar um comentário