quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Mirandela - Agricultores, pastores, produtores e a seca














Vila Real, 29 fev (Lusa) -- Agricultores, pastores e produtores de carne de Trás-os-Montes manifestam-se no dia 08 de março, em Mirandela, para reivindicar medidas que ajudem a minimizar os efeitos da seca e alertar para a desresponsabilização do Estado na problemática da sanidade animal.Os manifestantes vão concentrar-se em frente à sede da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN), em Mirandela.
Fotos de António Manuel Teixeira (Cilhades -2005)
Nota: Para abrir a página(ampliar as fotos), clique no lado direito do rato ;abrem as instruções, e depois clique em abrir hiperligação.

3 comentários:

  1. Costuma dizer-se que os homens se conhecem pela reacção dos seus animais perante os outros.Dito de modo diferente, por vezes,somos obrigados a afirmar " quanto mais conheço os homens mais gosto dos animais". Também é conhecido o desprendimento de S. Francisco de Assis perante a crueldade, a exploração e a ganância do mundo..tendo deixado riquezas, cuja herança farta das industrias de panos e de tinturaria lhes permitiria viver de barriguinha ao sol e " piscar o olho" a moçoilas das cidades-estado italianas.Preferiu os caminhos do mundo. da santidade esfarrapada e do bordão,companheiro dos desvalidos,dos pardais e das ovelhas.Tal não agiram nem pensaram Dominicanos( domini canis em linguagem mais perversa e anti- seguidores de Gusmão)...Daria para outra conversa que não é aqui chamada.
    A fotografia conterrânea remete-nos para familiaridade profunda,que no dizer do velhote,quer eu quer ele teríamos nascido debaixo de uma ovelha, salvo seja. A expressão " nascer de baixo de uma ovelha" traduz a ruralidade mais profunda do terrunho,a amizade,a alegria e a necessidade de sobrevivência do homem desde que fez ao longo de milénios.Há homens incapazes de chorar pelos filhos...veja-se a tristeza que é ler as palavras da transmontana de Carrazeda, a Procuradora Maria José Morgado, a propósito dos velhos que vivem e morrem sózinhos nas nossas cidades.Como dizia outros choram e choram seus animais,ou porque se acidentaram ou por terem sido vendidos no fim de muitos anos de convivência..As ovelhas de Silhades parecem andar tristes perante desolador ambiente de seca empoeirada.Por contágio ou reflexo pavloviano, preocupação e necessidade a tristeza carrega-a, certamente, aos ombros, talvez sonhando que " amanhã vai chover". Se estivéssemos nos idos de quarenta (aqueles horríveis do nazismo e do " nosso volfrâmio", talvez fosse caso, para com os demais aldeões,de irem ao Cabeço da Mua catarem pinhas secas e depois em oração as vissem a arder em caldeiras daquelas que o Ti António Martins fazia de folha da Flandres..Não será caso para tanto pois os anticiclones dos Açores ou de outros meridianos não sabem rezar e a sua " pressão" é outra. Mas que pressionados andam criadores, proprietários e outros como a Assunção Cristas..
    A propósito de secas, de devoções,de fé e de superstição nem só o Padre Fontes e seus paroquianos dão testemunho..Talvez em 2005,ao desfazer curva apertada à entrada da aldeia de Parada,"ovelha natal" do nosso Bispo Cordeiro,o mais jovem do Episcopado nacional,deparei -me com procissão crente. No andor transportava-se Santo Antão. Curioso, perguntei: procissão nesta altura?
    _ Fomos buscar o Santo para ver se chove.Ouvi de bocas humildes e crentes.Pela mesma altura alentejanos lá para os lados de Elvas ou do Alandroal faziam o mesmo.E as ovelhas será que rezam? Não creio!Mas que sentem e sofrem não temos dúvidas.Todos ficamos mais pobres quando assim é.Ou talvez não! E as ovelhas serão agiotas,especuladoras e afeitas a açambarcamentos.Umas são mais " fidalgas" e " mais lampeiras " do que outras. Como tudo na vida há sempre uma que é a "ronhosa" do rebanho.
    Que " O Homem do Tempo" ou que o velhinho " seringador" ou " Borda d´água" nos traga boas notícias a fim de que a tristeza dos "raxelos" e de seus donos se transforme em alegria e correria de cordeiros de primavera.E que bonito era vê -los ,dorminhocos ,ao sol depois de mamarem
    teta cheia.E que dizer de suas correrias de contentamento,esquecidos, por instantes saltitando, mas sob o olhar atento e amigo das mães que até S.Francisco se deleitaria de contentamento?

    ResponderEliminar
  2. Dizem os politicos que o melhor amigo do homem é o bode expiatório.
    Os árabes dizem ;reza a Alá mas não tires os olhos do camelo.
    Santa Bárbara proteje os mineiros e acalma as tempestades.Aparece quando chove muito,os relampagos sobre o cabeço da mua acordam-na.Mas para a seca quem nos socorre?Cristo,Cristas,barragens,açudes?O rosto do Ti Paco diz mais que mil palavras:aqui,na igreja ou no parlamento.
    Belos registos do Tómanel e do Artur.Apareçam mais vezes.
    Afonso Guardado

    ResponderEliminar
  3. Que belo texto o de Artur Salgado!Já outros comentários anteriores me tinham encantado.Deviam ser publicados na primeira página (ou deviam ser postados?Não sei como se diz).

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar