terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

NORDESTE TRANSMONTANO - Sonhar com a chuva

Foto do vale da Vilariça, enviada por Afonso Guardado.

6 comentários:

  1. Santa Bárbara foi, segundo as tradições católicas, uma jovem nascida na cidade de Nicomédia (na região da Bitínia), atual Izmit, Turquia nas margens do Mar de Mármara, isto nos fins do século III da Era cristã. Esta jovem era a filha única de um rico e nobre habitante desta cidade do Império Romano chamado Dióscoro.
    Por ser filha única e com receio de deixar a filha no meio da sociedade corrupta daquele tempo, Dióscoro decidiu fechá-la numa torre. Santa Bárbara na sua solidão, tinha a mata virgem como quintal, e, segunda alegam as tradições, "questionava-se" se de fato, tudo aquilo era criação dos ídolos que aprendera a cultuar com seus tutores naquela torre.
    Por ser muito bela e, acima de tudo, rica, não lhe faltavam pretendentes para casamentos, mas Bárbara não aceitava nenhum.
    Desconcertado diante da cidade, Dióscoro estava convencido que as "desfeitas" da filha justificavam-se pelo fato dela ter ficado trancada muitos anos na torre. Então, ele permitiu que ela fosse conhecer a cidade; durante essa visita ela teve contato com cristãos, que lhe contaram sobre os açegados ideais de Jesus sobre o mistério da união da Santíssima Trindade. Pouco tempo depois, um padre vindo de Alexandria lhe deu o Batismo.
    Em certa ocasião, segundo contam as tradições católicas, seu pai "decidiu construir uma casa de banho com duas janelas para Bárbara. Todavia, dias mais tarde, ele viu-se obrigado a fazer uma longa viagem. Enquanto Dióscoro viajava, sua filha ordenou a construção de uma terceira janela na torre, visto que a casa de banho ficaria na torre. Além disso, ela esculpira uma cruz sobre a fonte".
    O seu pai Dióscoro, quando voltou, "reparou que a torre onde tinha trancado a filha tinha agora três janelas em vez das duas que ele mandara abrir. Ao perguntar à filha o porquê das três janelas, ela explicou-lhe que isso era o símbolo da sua nova Fé. Este facto deixou o pai furioso, pois ela se recusava a seguir a fé dos Deuses do Olimpo".
    Sentença de Morte
    "Debaixo de um impulso", como alegam as tradições, "e obedecendo à sua fé, o pai denunciou-a ao Prefeito Martiniano. Este mandou-a torturar numa tentativa de a fazer mudar de idéias, fato que não aconteceu. Assim Marcius condenou-a à morte por degolação".
    Durante sua tortura em praça pública, uma jovem cristã de nome Juliana denunciou os nomes dos carrascos, e imediatamente foi presa e entregue à morte juntamente com Bárbara.
    Ambas foram, segundo alegam os católicos, levadas pelas ruas de Nicomédia por entre os gritos de raiva da multidão. Bárbara, segundo alega-se, teve os "seios cortados, depois foi conduzida para fora da cidade onde o seu próprio pai a executou, degolando-a. Quando a cabeça de Bárbara rolou pelo chão, um imenso trovão ribombou pelos ares fazendo tremer os céus. Um relâmpago flamejou pelos ares e atravessando o céu fez cair por terra o corpo sem vida de Dióscoro".
    Atribuições de Santa Bárbara
    Depois deste acontecimento contado nesta lenda, Santa Bárbara passou a ser conhecida como "protectora contra os relâmpagos e tempestades" e é considerada a Padroeira dos artilheiros, dos mineiros e de todos quantos trabalham com fogo.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/B%C3%A1rbara_de_Nicom%C3A9dia
    Oração de Santa Bárbara

    Santa Bárbara, que sois mais forte que as torres das fortalezas e a violência dos furacões, fazei que os raios não me atinjam, os trovões não me assustem e o troar dos canhões não me abalem a coragem e a bravura. Ficai sempre ao meu lado para que possa enfrentar de fronte erguida e rosto sereno todas as tempestades e batalhas de minha vida, para que, vencedor de todas as lutas, com a consciência do dever cumprido, possa agradecer a vós, minha protetora, e render graças a Deus, criador do céu, da terra e da natureza: este Deus que tem poder de dominar o furor das tempestades e abrandar a crueldade das guerras.
    Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

    ResponderEliminar
  2. Santa Bárbara bendita,

    Que nos Céus estais escrita,

    Com pena e água benta

    Livrai-nos desta tormenta

    ResponderEliminar
  3. Cento e noventa e quatro incêndios foram registados, no distrito de Bragança, no período entre 13 e 26 deste mês, segundo o a Protecção Civil distrital. No combate a estes incêndios estiveram envolvidos 1334 operacionais e 350 viaturas. As altas temperaturas, aliadas a um Inverno extremamente seco, levaram a que muitas pequenas queimadas se tornassem incêndios florestais, nada expectáveis nesta altura do ano. Apesar do grande número, a maioria das ocorrências, nas quais arderam áreas de mato e floresta, teve reduzida dimensão. No maior incêndio, registado em São Joanico, no concelho de Vimioso, arderam cerca de 200 hectares. Estas ocorrências seguem uma tendência nacional. Além de graves prejuízos agrícolas a falta de chuva está também a causar incêndios florestais em pleno Inverno.
    http://www.mdb.pt/noticia/3843

    ResponderEliminar
  4. “O problema da seca resolve-se com atitudes e medidas políticas, chegou a altura do Governo tomar a iniciativa”, sublinhou Seguro: “Basta conseguir que os agricultores beneficiem da ajuda a que têm direito”. Assim, o dirigente socialista preconizou que dos 600 milhões de euros da UE sejam colocados de imediato ao dispor dos agricultores 450 milhões, em vez do montante global só estar disponível no final do ano. “Não chover não é responsabilidade do Governo, mas o problema também não se resolve dizendo que há fé que vai chover nos próximos dias”, disse o secretário-geral do PS, numa referência a declarações recentes da ministra da Agricultura, Assunção Cristas.
    Relativamente à solicitação feita por algumas organizações agrícolas da suspensão do pagamento das contribuições obrigatórias para a Segurança Social, António José Seguro afirmou preferir a antecipação das ajudas comunitárias. Bragança é um dos distritos mais atingidos pela seca que afecta, sobretudo, o sector agro-pecuário, devido à falta de pastos naturais para os animais.
    Em Miranda do Douro, o dirigente socialista referiu-se também ao que considerou a “dupla penalização” do interior face ao acesso à saúde. “Existe uma dupla penalização porque, como sabemos, as taxas moderadoras aumentaram exageradamente e as pessoas que vivem no interior têm de pagar ainda mais e, muitas vezes, mais do que a própria taxa moderadora devido aos custos dos transportes”, sublinhou. Seguro lembrou que o memorando da troika, “que tantas vezes é utilizado para exigir sacrifícios aos portugueses, fala na racionalização com o objectivo de não se diminuir a qualidade da prestação dos serviços públicos”.
    “Viver no interior é muito difícil”, constatou no início de uma semana de visitas aquelas zonas do país, com o objectivo de “ter um conhecimento mais aprofundado das regiões” e propiciar o que definiu como “um novo olhar”. Atitude que, enfatizou, “não passa por políticas de encerramento, extinção ou deslocação de serviços, colocando áreas tão importantes como a saúde ou a justiça distantes das pessoas”. O “Roteiro em Defesa do Interior” dos socialistas culmina no sábado, 3 de Março, com a celebração de uma conferência nacional sobre a “Defesa do Interior”.
    http://m.publico.pt/Detail/1535192

    ResponderEliminar
  5. Lourdes escreveu: "logo ela virá,tudo a seu tempo,aqui já está parando,tbém já chega."

    ResponderEliminar
  6. Bendito António José Seguro e o seu "Roteiro em Defesa do Interior"!!!!!

    ResponderEliminar