quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (15/02-Actualização)

15.02.1896 – Representação enviada pela câmara municipal a Sua Majestade:
- Senhor! Havendo falecido o Par do Reino Manuel António de Seixas, legando a esta vila, sua terra natal, a quantia de 30 contos de réis em inscrições para que, com o seu rendimento depois de deduzidos 120 000 réis que o mesmo testador dispõe para vestuário e calçado de alunos pobres, estudiosos e bem comportados, seja fundada nesta vila uma escola elementar ou secundária, esta câmara depois de ter deliberado e representado que a escola fosse secundária e se denominasse Escola Municipal Manuel Seixas e de já ter aceitado a herança, delibera hoje definitivamente que esta escola tenha 2 professores, com o ordenado de 250 000 réis cada um, dando-se a gratificação de 50 000 réis àquele dos dois que deva considerar-se director da dita escola, comprometendo-se esta câmara a dar casa própria para as aulas, toda a mobília e utensílios precisos e a satisfazer enfim o que faltar do rendimento do legado, para integral pagamento de todas as despesas, caso o governo não queira subsidiar a dita escola municipal secundária com a terça parte do ordenado dos professores, como estabelece o artº 5º & 1º do decreto de 14.6.1880 e cujo subsídio importa apenas na insignificante quantia de 160 666 réis.
António Júlio Andrade

Reedição de posts desde o início do blogue

15 comentários:

  1. CONTINUAÇÃO:
    As disciplinas que deverão ser ensinadas pelos respectivos professores são: Latim, Latinidade e Francês por um deles; Português, Geografia, História e Desenho por outro. Esta câmara, parecendo-lhe que o assunto da sua representação está perfeitamente ao abrigo da doutrina contida no decreto já citado de 14.6.1880 e que isto em nada contraria a disposição testamentária e intuição do benemérito testador, antes pelo contrário a vai ampliar, com grandes vantagens económicas para a mocidade pobre que pretenda instruir-se e não se achando a doutrina do citado ainda revogada pela legislação ultimamente publicada sobre a instrução secundária e parecendo-lhe enfim que este assunto é perfeitamente da mesma natureza do que levou a câmara municipal de Torres Vedras a representar pedindo uma escola municipal secundária na sede do mesmo concelho que lhe foi concedida. Espera, portanto, esta câmara, em virtude das razões aduzidas, que se lhe faça inteira justiça, deferindo-lhe a presente representação.
    15.02.1913 –
    Recebido em Moncorvo um ofício do governo civil dizendo que as câmaras do distrito deviam comparticipar em 3 205 000 réis as despesas da elevação do Liceu Nacional de Bragança a Liceu Central. Depois de alinhar vários argumentos para justificar a sua negativa, a câmara conclui: - (…) Desde já protesta contra o rateio pretendido e dele levará os recursos que lhe forem permitidos e pedirá a sua demissão, caso não obtenha provimento.

    ResponderEliminar
  2. O ensino em Moncorvo ainda um dia dá um livro.
    Onde era esta escola?Há uma rua com o nome deste moncorvense?

    ResponderEliminar
  3. SEIXAS, Manuel António de
    nasceu em Moncorvo, em Setembro de 1808 e aí faleceu em 9.10.1895. Foi par do reino em 1880. Foi para Lisboa, em criança, a convite de um seu tio e aí fez uma fabulosa fortuna. O Abade de Baçal transcreve no Tomo VII das suas Memórias, a escritura de testamento e através dela se pode ajuizar do valor deste transmontano que se ilustrou pelas qualidades de trabalho e também pelo espírito de benemerência. Colocou uma boa parte dos seus bens ao serviço da sua Terra e das instituições de caridade, sem prejudicar os dois filhos naturais que herdaram o necessário para não precisarem da parte que o pai distribuiu pelos outros.
    No dicionário dos ilustres transmontanos

    ResponderEliminar
  4. olha cultura em Moncorvo!sempre para a frente!e as humanidades, pois claro!

    ResponderEliminar
  5. Ensinavam francês mas faltava o piano para as maninas.Este dicionário é, assim, atirado ao fracote.Não há um moncorvense que escreva uma pequena biografia deste nosso ilustre?

    ResponderEliminar
  6. bem, e a matemática também faz falta

    ResponderEliminar
  7. sabe bem, "ilustre transmontanos", saber que Moncorvo privilegiou, sempre a cultura e o ensino!vamos a isso! e vejam a prioridade dada às disciplinas! latim.. latinzinho, lá diz o outro;francês e português; mas então a matemática?
    tininha

    ResponderEliminar
  8. O primeiro sítio onde funcionou esta Escola Seixas foi no nº 11 da rua do Quebra Costas, actual porta de entrada da biblioteca municipal. J. Andrade

    ResponderEliminar
  9. Devia haver uma placa à entrada da biblioteca.Era justo, era motivo de orgulho.Fazia bem ao ego da biblioteca e dos moncorvenses e libertava o solar da sombra do Oliveirinha, que vivia das rendas das courelas da Vilariça.

    ResponderEliminar
  10. A Casa da Avó é um magnífico edifício do século XVIII situada no núcleo Renascentista da Vila de Torre de Moncorvo, junto à Igreja Matriz, pertença da família de Manuel António de Seixas, desde 1877, altura em que foi adquirido pelo seu irmão Luís António de Seixas, a Carlos Chaves de Oliveira residente no Brasil.
    Moncorvense e insigne benemérito, Manuel António de Seixas em 1895 deixa em testamento um legado ao Hospital de Moncorvo, estabelecimentos de Caridade e à Câmara Municipal de Torre de Moncorvo para Criação de uma Escola de Instrução Primária ou Secundária.
    Para além dos legados, deixa a sua sobrinha, D. Cândida Rego, a casa (Casa da Avó) que possuía na rua que hoje tem o seu nome.
    Nos anos noventa (1981) a casa foi adaptada para Turismo de Habitação pelos descendentes de D. Cândida Augusta Rego Ribeiro.
    O edifício ostenta uma bela fachada com pilastras de capitéis coríntios nos cunhais, sendo dois pisos revestidos a azulejos relevados com motivos florais brancos e amarelos e uma cercadura com cachos e parras de uvas. Destaca-se ainda as portas e janelas com molduras superiores decoradas com motivos em concha e o varandim central, onde se encontra a inscrição “ SEIXAS 1880, correspondendo ao antigo proprietário e provável data de obras realizadas no edifício.
    No interior possui quatro compartimentos com tectos de estuque decorados com motivos vegetalistas e com figuras de Índios.
    Em 2008, foi adquirida e remodelada, retornando as funções de Turismo de Habitação.
    A casa dispõe de 6 quartos com casa de banho completa, telefone, TV e Ar Condicionado, Wireless, salas de estar, sala de refeições e um magnifico Pátio Interior. A casa da Avó, é sem duvida um local privilegiado para uma estadia recatada e de grande conforto.

    ResponderEliminar
  11. já agora que é feito do legado, uma vez que se extingui-o os fins para que foi destinado ou seja a escola?

    ResponderEliminar
  12. A Casa da Avó tem página web para se ver?
    Se enviassem uma fotografia com a inscrição para o blog ,nós que vivemos longe, podíamos ver.Dizem que a casa é uma maravilha.

    ResponderEliminar
  13. Boa pergunta faz o senhor Patoleia.Onde anda o taco ?

    ResponderEliminar
  14. Página web, visitem

    www.casaavo.com

    ResponderEliminar
  15. O dinheiro da herança Seixas esfumou-se com a República. Cada ministro que entrava prometia à câmara um escola (até liceu!) deste género e mais daquele, mais industrial, mais agrícola, mais comercial... Quando, uns tempos depois, faleceu o fundador do Asilo e que era parente de Manuel Seixas, já teve o cuidado de apertar mais as cláusulas testamentárias para o dinheiro não levar igual sumiço... E o Asilo cumpriu a sua missão de auxílio à pobreza até... (cala-te boca)O falecido ex-presidente da câmara municipal, sr. Almiro Ângelo Sota foi um dos alunos que frequentaram a Escola Seixas... Isto são algumas notas assim por alto, coisas que me recorda de ter lido. Na verdade o tema está mesmo a pedir uma investigação cuidada e a sua publicação em livro ou revista. Alguém que meta mãos à obra. J. Andrade

    ResponderEliminar