quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

TORRE DE MONCORVO -1987

Click na imagem para aumentar
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)

(Reedição de posts desde o início do blogue)

5 comentários:

  1. O sr. Veiga era um empresário metódico e enovador. o seu supermecado foi a 1ª grande superfície de Moncorvo, a passagem do tradicional soto ao contacto directo com a mercearia, com uma gama diversificada de produtos, ainda não foi feito melhor. Aguarda-se a chegada dum hiper-mercado que Mogadouro, Vila Flor e até Foz Côa já têm...FOSSE ELE MAIS NOVO E HOUVESSE VONTADE POLÍTICA, ERA ELE O HOMEM CERTO!

    ResponderEliminar
  2. E o café Veiga, junto ao senhor Peixe e do soto novo,o super soto em frente ao stand moreira e a um urinol,ambos enccostados à muralha,felizmente já desaparecidos.O senhor Veiga junto com o senhor moreira foram os maiores comerciantes dos ultimos cinquenta anos .Parece que o senhor Veiga começou a sua actividade como empregado do senhor moreira.A rua do quebra costas ,chamam-lhe infante d.henrique (um grande moncorvense!!?)devia ter o nome de um destes senhores.Não é lá a sede da ACIM?

    ResponderEliminar
  3. Apoiado! Que as ruas tenham os nomes de ilustres da terra,quer tenham nascido aqui ou não,quer sejam homens/mulheres de letras ou ciências,comerciantes ou industiais, políticos ou floristas.O importante é que tenham ajudado a desenvolver Moncorvo e a tornar conhecida a nossa terra.Que se saiba, o Infante D.Henrique não foi parido em Moncorvo nem veio para cá estabelecer-se.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  4. dos grandes comerciantes dos últimos 50 anos, esqueceu-se do Paiva, este sim o maior de todos eles. Já agora o Infante Dom Henrique foi o maior impulsionador dos descobrimentos portugueses e juntamente com Camões, Pessoa, Manuel Damásio, Saramago e Egas Moniz, atingiram a excelência além fronteiras. A ACIM já foi nessa rua agora fica nas Aveleiras.

    ResponderEliminar
  5. Uma das coisas que mais me impressiona (e me irrita) é ver que os dicionários de história (nacional e regional) estão cheios de homens que se tornaram ilustres pelas letras ou pela política. Raramente se encontra o nome de alguém que ganhou direito a um lugar nos dicionários dos ilustres, saído dos domínios da economia e muito em especial na agricultura. Felizmente que em Moncorvo já se homenagearam publicamente alguns comerciantes e se fala de outros em sítios como este...
    É comum dizer-se que Moncorvo é um concelho essencialmente agrícola. E toda a gente diz que as paisagens são o melhor cartaz turístico do concelho. Poucos pensarão que alguém constroi e trata permanentemente essas paisagens... Será que algum dia vamos ter homens desses publicamente homenageados e com nome inscrito em algum dicionário de ilustres moncorvenses?... E se há prémios e bolsas de estudo e coisas parecidas para tanta gente porque não há nada nos domínios da agricultura /construção de paisagens?
    Bom, desculpem este desvario...
    Quanto ao senhor Veiga e Paiva e Moita e Fernandes e Pera e Miranda e Pontes... e tantos outros grandes empresários (não falo dos vivos)Moncorvenses, certamente que deveríamos fazer mais do que temos feito... Vamos a isso? Carreguem elementos para este blog, que é um bom espaço e local de fácil acesso para todos os que se propuserem fazer um Dicionário de Moncorvenses Ilustres. Júlio Andrade

    ResponderEliminar