sexta-feira, 20 de abril de 2012

Exposição de cartazes do 25 de Abril

Para assinalar mais um aniversário do 25 de Abril, na semana de 23 a 30 de Abril irá estar patente na Traga-Mundos uma exposição de alguns dos cartazes oficiais que a Associação 25 de Abril edita anualmente.
Estarão patentes cartazes originais de 1974-1975,1979, 1984, 1988, 1992, 1994, 1999, 2001, 2002,2003, 2004. São de assinalar algumas raridades, como os cartazes da autoria de João Abel Manta, Vieira da Silva, Júlio Pomar, Relógio. Para além do cartaz oficial deste ano (2012), com o apoio da Associação 25 de Abril.
Por conseguinte, no dia 25 de Abril de 2012, aTraga-Mundos também estará aberta, no seu horário habitual, das 14h00 às 23h00.
 de 23 a 30 de Abril de 2012
local: Traga-Mundos– livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua MiguelBombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª,Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00

1 comentário:

  1. As águas de Abril arredio
    Na agiotagem lobeira tropeçam
    De novo sacudirâo mofo e bafio
    Ainda que falsa solidariedade peçam!

    Lembremos o sonho e a esperança
    Refeito no canto alegre do porvir
    Fustigando quadris sem lança
    Se preciso for especados sem fugir!

    Irmanemos vontades e caminhos fortes
    Na proporção de carácter humanista
    Afastando desalentos sem nortes
    Refazendo vidas com largas vistas!

    Abanem -se elites arrogante pueris
    Sacrossantas peralvilhas na ganância
    Escorregadias na corrupção sem cerviz
    Vivendo da falsa produção da abundãncia !

    E que o sonho companheiro no ser
    Retome a luminosidade da coragem
    Cantadas pelo poeta do prazer
    Convidando à luta serena na viagem !

    Recordemos infâncias de fomes fartas
    Fazendo da crença a nossa romagem
    Sacudindo trastes com pó de lagartas
    Afogando inércias e sua agiotagem !

    Construamos futuro com pétalas de Abril
    Nestes tempos de incerteza no florir
    Amadurecemos com tenacidades mil
    Manhãs alegres na saudade do rir!

    E que os corações de petizes se abram
    Na esperança de noites sossegadas
    Navegando ventos que sorrisos tragam
    Emprestando confianças desusadas!

    Abram-se as correntes da concórdia
    Baluartes dos justos com justiça
    Fustiguem -se crentes da mixórdia
    Abraçam -se portas sem estultícia !

    E com os primaveris capitães
    Saudemos seu passado no futuro
    Alimentomo-nos com pão de mães
    E abraçados rompam-se outros muros!

    ResponderEliminar