sábado, 21 de abril de 2012

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES ( 21/04)

21.04.1708 – O padre Domingos Luís Aleixo, ermitão de Santa Luzia, Larinho, apresenta-se na câmara com um fiador responsabilizando-se pelos bens do mesmo ermitério.
Felgar 1975
21.04.1808 – Nesta data se elaborou uma relação da prata entregue por cada um dos concelhos da comarca de Moncorvo para oferecer às tropas de Napoleão, num total de 56 arrobas, 17 arráteis e 5 onças e meia. O concelho de Moncorvo entregou 8 arrobas, 11 arráteis e 11 onças e meia. Das aldeias do concelho foi a freguesia do Felgar que entregou mais: 23 arráteis e 8 onças, provenientes de um turíbulo, naveta e colher, 2 cruzes grandes do santíssimo, 3 guiões, 2 castiçais e 1 vaso de prata. A vila de Moncorvo entregou 116 arráteis e 61 onças.
21.04.1896 – Nota da Caderneta de Lembranças: - veiu o snr. José ferreira de Carvalho, à administração, a intergar os livros e tudo o mais que tinha em seu poder pertencente à Mezericordia desta villa.
21.04.1913 – Levantado um auto de investigação a Fernando João Campos, acusado de viciar papéis de emigração para o Brasil.

António Júlio Andrade

3 comentários:

  1. Reclamar este roubo e recorrer ao Tribunal Internacional para que tudo fosse entregue aos seus donos.A França se quer que o Kadafi deixe de roubar tem que dar o exemplo.
    Um espoliado(fomos todos)

    ResponderEliminar
  2. Roubados pelos de fora,roubados pelos de dentro - o que será pior?

    ResponderEliminar
  3. Contra a força não há resistência! E que se vão os anéis e que fiquem os dedos diz a sabedoria popular! E quem teria ficado sem pratas e outros metais nobres? Vá-se la saber. Intuitivamente penso que os graúdos do lugar,e por antecipação marxista, lá se foram as mais valias de anos e anos de trabalhos condizentes com a antiga estrutura social portuguesa onde sisas e outros tributos alimentavam quase um terço da população a viver nos e para os conventos e outras capelas.
    De algum modo a França já retribuiu o esbulho que nos foi fazendo com aqueles que "já" "são" " mortos": Junot, Soult e Massena.Basta imaginar o ganha-pão de milhares e milhares de compatriotas nossos desde que se abriu a torneira da emigração dos anos sessenta " a salto" e perseguida por uns que não gostavam que lhes faltasse mão-de-obra para eles próprio poderem comprar mais uns anéis ou bracelete de ouro..Nada que se compare com os 55 mil euros do reloginho de pulso do conservador Sarkozy,que as câmaras de televisão francesa enxergaram para que o Hollande pudesse somar mais uns pontinhos..E os ingleses do Tipo Beresford foram melhores do que os comandados do Corso Bonaparte? Vou ali e venho já! Se Freire de Andrade,cujos restos, depois de enforcado, foram atirados aos cães nos areais das praias de Carcavelos depois de ter sofrido nas masmorras de S.Julião da Barra, creio de memória tal como o grande liberal Pimentel de Moncorvo o foi pelos absolutistas corcundas seguidores do D. Miguel e da feiosa rainha sua mãe Carlota Joaquina..Eram tempos em que se afirmou a fama do Constantino, Rei dos Floristas (que como se sabe fruto de amores proibidos andou pelo Larinho, Alfândega da Fé em vida de tendeiros ) e, fortuna na bolsa se fez baptizar com o nome de:Constantino José Marques de Marialva Lopes Pinto Moutinho Sequeira Coutinho Freire de Sampayo e Melo de Araújo Borges Pereira de Castro Baltazar Teixeira de Lacerda"..

    Se o Constantino, em terras de França, impôs a sua arte, talvez pudessemos pensar que os (as) aristocratas parisienses e de outras cidades lhes tenham pago as suas flores com o dinheiro que poucos tempos antes seria de moncorvenses e felgaratos. O dinheiro não tem cheiro nem pátria..E esta, por vezes, tem traidores Astolpas e Sertórios que originou o dito " Roma não paga a traidores".E o portador das virias,aquele dos Hermínios com surrão às costas e a cavalo do jumento para sobreviver também roubou para sobreviver. E que dizer do nosso D.joão VI,pretendente ao trono de sua mãe " aquela da viradeira"( D. Maria I )que segundo uns se enfiou com ceroulas e tudo no seu barquinho ali para os lados de Belém a caminho do Rio de Janeiro assim que ouviu que os franceses estavam a chegar à capital..Outros afirmam que estava a ouvir ópera num salão e escapuliu-se antes do último acto para se iniciar outra peça para além do atlântico..Ah como fraco rei faz fraca a forte gente.Ou o seu inverso forte gente faz forte o fraco rei! De quem é culpa? responda quem souber e obrigado ao António Júlio por nos trazer estas e outras informações do " Caderno das Lembranças" para que nos possamos lembrar que talvez a dupla MerKozy fique menos fraca para não dificultar mais a vida a forte e boa gente que somos todos nós,,conforme os dias...Boa noite e Bom 25 de Abril por essas terras das boas cebolas, do ferro e da boa pinga.E que chova azeite e haja saúde ainda que se vão os anéis bulionistas!

    ResponderEliminar