segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

TORRE DE MONCORVO - ILUSTRES

  Crisóstomo Pedro de Moraes Sarmento

Nasceu o 1.° Barão de Torre de Moncorvo, Cristóvão Pedro de Moraes Sarmento, na Baía de Todos os Santos (Brasil), a 13 de Maio de 1788, filho legitimado de Tomás Inácio de Moraes Sarmento, desembargador dos agravos na Casa da Suplicação. Em 1814 alistou se como voluntário no Exército e serviu até ao fim da Guerra Peninsular, razão pela qual foi condecorado com a Cruz de Prata n.° 2 da Guerra Peninsular, bem como auferirá a comenda da Ordem de Nossa Senhora das Conceição de Vila Viçosa e será Cavaleiro da Ordem de Cristo. Regressando a paz ao país, bacharelar se á em Direito pela Universidade de Coimbra e será nomeado superintendente das Alfândegas e do Tabaco em Trás os Montes. Ingressou depois na diplomacia e serviu como encarregado de negócios em Londres e Copenhaga, aí sendo agraciado com a Comenda de Daneborg. Casou a primeira vez em Copenhaga, a 1 de Dezembro de 1828, com D. Carlota Amália Jordan. que nasceu em 1806 e morreu em Londres a 7 de Fevereiro de 1842, tendo deixado geração. Posteriormente, casará a segunda vez em Londres com sua cunhada, D. Carolina Guilhermina Jordan, que nasceu a 8 de Julho de 1809, ambas estas senhoras filhas de Cristiano João Jordan e de sua mulher, Ana Thora Jordan. O título de Barão foi lhe concedido por Decreto de 23 de Maio de 1835, as Binado por D. Maria II, que o elevou a Visconde por decreto de 13 de Julho de 1847. Em 1833, Cristóvão Sarmento foi ministro plenipotenciário em Londres para a assinatura do Tratado da Quádrupla Aliança, ficando a residir na capital inglesa até à sua morte, a 8 de Janeiro de 1851. Era ainda fidalgo da Casa Real, do Conselho de Sua Majestade Fidelíssima, par do reino, Grã Cruz das Ordens de Sant'Iago, de Isabel a Católica de Espanha, de Ernesto Pio, de saxe, e grande oficial das da Legião de Honra, em França, e do Nicham Iftikar, de Tunes.
.Eduardo Proença Mamede
In volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte


(Reedição de posts desde o início do blogue)

4 comentários:

  1. O homem da Moncorvo House.

    ResponderEliminar
  2. Creio que o nome correcto é Cristóvão e não Crisóstomo.

    ResponderEliminar
  3. Há, neste dicionário de ilustres, muitas falhas.Tem que ser lido com cuidado e quem detectar erros ou omissões que emende.Compreendo a sua utilização,mas cuidado, senhores do blogue.Quando for assim, consultem o historiador A.J.Andrade(trabalha na biblioteca).

    ResponderEliminar
  4. Creio que o senhor do blog dá umas pistas.Por que é que os interessados não consultam o historiador e não fornecem os dados correctos nos comentários?Poupariam tempo a quem tem o trabalho,que agradecemos,de andar em busca de tanto material.

    Maneldabila

    ResponderEliminar