quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (16/12)

16 Dez. 1843 – Ofício do governador civil de Bragança para a câmara municipal de Torre de Moncorvo ordenando que se pare com a obra de demolição do castelo. Este ofício vem no seguimento de uma interpelação feita no Parlamento sobre o assunto. Acrescente-se que a câmara era então presidida pelo progressista e grande liberal António Joaquim Ferreira Pontes e a obra correspondia aos anseios da população na medida em que o castelo não passava já de uma ruína. Porventura foi um grande erro urbanístico e crime de lesa – património.

16 Dez. 1867 – Publicação de um decreto criando em Torre de Moncorvo uma Escola onde se ensine Português, Francês, Administração, Economia Rural e Latim.
16 Dez. 1894 – Notícia do semanário O Moncorvense: -A Dança macabra!! O sr. dr. António Acácio de Castro Valente, que, segundo noticiam os jornais, acaba de ser nomeado lente de teologia do Seminário de Bragança, saiu já para tomar posse do lugar que lhe foi dado como retribuição de importantes serviços.
Para a freguesia dele foi nomeado o nosso amigo padre Machado, da Lousa, ultimamente ordenado e que é modelo de seriedade ainda não eivada duma coisa que nós sabemos.
Para a freguesia de Maçores e Ligares foi nomeado o reverendo José Augusto Tavares, assíduo colaborador deste semanário e nosso particular amigo. A este recomendamos-lhe todo o cuidado com o sr. Regedor, digníssima autoridade do século presente que tendo espancado o pároco antecessor, já transferido para a Aguieira, é bem capaz de querer continuar a mandar no pároco como nos cabos de polícia ou nos bêbados da freguesia. Cuidado com o homem! Dantes aos padres batiam-lhe só da coroa para baixo, agora até na coroa e mesmo no altar!!!
E porque não? Se a santa obediência (!!!) assim o exige! E por causa da santa obediência, o povo não só lhes não paga, como ainda por cima lhes vai aos lombos! Que lástima, santo Deus! Como isto dói!

António Júlio Andrade

3 comentários:

  1. Leiam o rigoroso artigo sobre o ensino em Moncorvo,de autoria do professor Alberto Areosa, que saiu na revista do colégio campos monteiro.É desde a fundação do colégio até aos nossos dias,1936/2010.Estas efemérides ivocam outras épocas ,outras escolas ,outro ensino.Quem junta estes farrapos e nos oferece a história do ensino em Moncorvo de 1834 até 1936?Alberto Areosa,António Júlio Andrade,Conceição Salgado,Adília Fernandes ou outros;avancem!Talvez o próximo número da revista.A directora,Júlia Guarda Ribeiro,professora, é a grande cronista das gentes da nossa terra.Pediu apois e sugestões.Uma!A revista e o livro estão à venda na loja da Dina ,no largo General Claudino.Vinho ,amêndoas cobertas e livros são prendas de Natal.
    M.C.
    M.C.

    ResponderEliminar
  2. António Joaquim Ferreira Pontes ,se fosse hoje ,em vez de ser presidente da câmara,era director do IPPAR e dava o seu parecer favorável para se destruir a linha do Tua.

    ResponderEliminar
  3. Isto de um regedor ter por hábito bater nos padres é uma coisa que nós não entendemos ,mas que alguns as merecem,merecem.

    ResponderEliminar