sábado, 24 de setembro de 2011

Pequenas Memórias “EXAME DE ADMISSÃO AOS LICEUS ”(XIII), por Júlia Ribeiro

“Grande é a poesia, a bondade e as danças ... Mas o melhor do mundo são as crianças “

Fernando Pessoa

1949 – De Moncorvo a Bragança – uma Aventura (2ª parte)

Notas de roda-pé – (2ª parte)
No dia seguinte, porque era Domingo, a Menina Maria da Graça Camelo levou-nos à missa. Foi ela quem nos penteou a todas: a mim, porque tinhas tranças compridas, à Frances e à Jovita, porque o cabelo era dificil de pentear. As três vestidas com as fatiotas de ver a Deus, lá fomos para a Sé. No fim da missa o padre avisou os fiéis que às 17 horas seria benzido no cemitério o primeiro jazigo de uma família cigana. E apelava a que se juntassem todos à cerimónia, pois somos todos filhos de Deus e , portanto, irmãos. Além de que o jazigo era um lindo monumento.
Ainda antes das 5 da tarde já estávamos nós em frente do jazigo. Todo de mármore branco, com um anjo grande de cada lado com asas bicudas viradas para o céu e vários anjinhos mais pequenos , era realmente uma linda obra. No cimo estava escrito : “Última Morada da Família Sigana de Abílio Oliveira”. Era a primeira vez que via a palavra cigana assim mesmo, escrita com um s . Estranhei, mas não pensei mais no assunto. Saímos do cemitério, fomos beber um pirolito fresquinho, depois passeámos até ao jardim perto do Liceu e vimos os patos no Rio Fervença. Estava quase passado o Domingo.
No dia seguinte, todas nós , com mais ou menos dor de barriga – era o primeiro exame fora da terra e o aparato era grande - aguardávamos à porta das salas. Feita a chamada , foi-nos dada uma folha com linhas, foi-nos indicado como preencher o cabeçalho e depois um silêncio total, porque ia começar o ditado. Então não é que a palavra cigano/cigana aparecia três vezes no texto? Numa aflição enorme, eu pensava que devia escrever com c mas se num sítio que toda a gente podia ver, estava a palavra escrita com um s, é porque era mesmo com um s e eu estava enganada. Foram uns momentos de tortura . Tínhamos de entregar a prova mas, nos últimos segundos em que podíamos ainda ressalvar um erro, decidi escrever no fundo da folha: “Eu acho que cigano se escreve com c de cão, mas num jazigo do cemitério está com s .
Fiz as outras provas de aritmética, de redacção, de desenho e, embora tudo tivesse corrido bem, eu saía sempre triste como a noite, por causa dos 3 erros no ditado. Dias depois saíram os resultados e todos os alunos da D. Luzia Areosa iam à oral. Eu também. Na divisão dos alunos pelos júris, eu fiquei para o último dia. A D. Luzia, sabedora dos meus 3 erros, escreveu-me uma cartinha a consolar-me.
Bragança
Chegou o dia da minha prova oral. Uma professora, membro do júri, ao pegar na minha folha do ditado, diz imensamente divertida: “Cá está a menina que escreveu a nota de roda-pé”. Eu, encolhida, quase em lágrimas, só queria um buraquinho para me esconder. E a professora continuou : “Esta menina nem sabe ainda o que é uma nota de roda-pé, mas escutem o que escreveu “ . Eu não sabia do que ela estava a falar mas coisa boa não seria , porque estava a rir-se, fazendo troça de mim. As lágrimas já teimavam em saltar-me dos olhos. E então, depois de um momento de suspense, ela leu em voz alta o que eu escrevera no fundo da página do ditado, acrescentando : “Devia haver mais cuidado com o que se escreve em edifícios públicos “. Virou o papel para mim e disse : “Estás a ver, minha linda, zero erros “.

Ainda hoje detesto notas de roda-pé.

Júlia Ribeiro

7 comentários:

  1. Pedro Flores DISSE:Desde k ouça " simpaty for the devil " dos Stones, vou

    ResponderEliminar
  2. Hoje com o acordo ortográfico já nem sei como se escreve. Eu chumbava de certeza no ditado de admissão ao Liceu.

    Fernanda F.

    ResponderEliminar
  3. Gosto destes textos. Estão bem escritos, sem ornamentos escuzados, muito claros.
    Não entendi o qua Pedro Flores disse no seu comentário. A culpa deve ser minha. Mas se quiser explicar eu agradeço.

    Maria do Carmo

    ResponderEliminar
  4. Eu também detesto notas de roda-pé.
    Sempre saiem estas estórias para o Natal?

    Beijinhos
    Alex Cristina

    ResponderEliminar
  5. Ai, um pirolito fresquinho ! Ah que tempos não ouvia tal palavra . E porque é que desapareceram os pirolitos? A canalhda juntava os testões todos para um pirolito.
    Vá , mais piquenas estórias que reavivam a memória.

    Céu

    ResponderEliminar
  6. Bonita estorinha,como todas as anteriores.Queremos mais.
    Bjs.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  7. Olá, comentadores, visitantes e demais blogueiros:

    Há dias que ando afastada do nosso Blog, mas acabei de chegar a casa e cá estou eu.
    Obrigada pelas vossas palavras amigas.

    Um abraço para todos e outro, muito especial, para o Leonel, que tem de aguentar este trabalhão todo.
    Júlia

    ResponderEliminar