terça-feira, 20 de setembro de 2011

A 2ª queda de Salazar, por Júlia Barros Ribeiro

Em Janeiro de 1970, eu precisei de alguns dados sobre Escolas Primárias, incluindo Escolas Anexas, para um debate a realizar-se na Escola Técnica de Leiria.
Recorri ao Professor Mil-Homens, Director das Anexas. Enquanto estava a ouvi-lo e a registar datas e números de professores e de alunos, alguém bateu à porta. O Professor Mil-Homens mandou entrar.
Era uma professora novinha que, de chofre, disse: “O Salazar caiu. Que lhe faço?”
Ficámos de boca aberta. Salazar caíra da cadeira há 2 anos. O Professor Mil-Homens respondeu: “Ele já caiu há muito tempo. A senhora não tem que fazer nada”.
“Não é isso. Ele caiu agora mesmo. Mando consertar ou abato-o?”
Como demonstrássemos ambos um enorme espanto, a jovem professora deve ter achado que não se explicara bem e então, pausadamente, esclareceu : “O quadro com o retrato do Salazar caiu da parede e partiu-se todo . Ou o mando consertar ou o dou para o abate. Assim com assim, o retrato já ali não estava a fazer nada”.
Com um suspiro de alívio, o Professor Mil-Homens respondeu: “Vai já para o abate”.

Leiria, 16 de Setº de 2011

Júlia Ribeiro

10 comentários:

  1. Morra Salazar não faz falta á Nação.
    que dizes tu
    Morra Salazar? Não, faz falta á Nação.

    a lingua portuguesa tem destas coisas, uma nota apenas ao meu comentário
    Salazar nunca devia governar este País, haverá muitas pessoas que não concordarão, mas pensem só na vossa infancia, neste momento Portugal não estará melhor mas se repararmos bem nunca esteve desde a sua fundação. mas o governo do Drº Salazar atrasou este País mais de 50 anos em relação há Europa, e neste momento é o que se vê.

    ResponderEliminar
  2. Quem manda?
    Salazar,Salazar,Salazar!
    Era o outro lado da barricada.
    Catatcho, o quadro iscatchouxe!
    Uma cadeira para o Jardim,já!e outras para os que se calaram e assobiaram.

    ResponderEliminar
  3. Sal azar.
    Quando o sal se derreteu o azar acabou.

    ResponderEliminar
  4. Não tem nenhuma com o Tomaz? eu era fã do almirante.

    ResponderEliminar
  5. Azar o nosso ter caído da cadeira tão tarde!

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  6. Eu já não perco nenhuma destas estorinhas. E recomendo para rir por uns momentos.

    Nuno

    ResponderEliminar
  7. realmente isto depois do homem tem sido um belo dum regabofe , e depois há sempre estas gerações anteriores de iluminados , da minha parte só tenho de agradecer por me deixarem pagar a factura !

    ResponderEliminar
  8. A miséria em que se viveu no tempo do Botas, tem a ver com a sua extrema sovinice; a guerra colonial tem a ver com a sua tacanhez política; o que actualmente se vive tem a ver com a desonestidade e falta de pudor dos políticos corruptos que estão à frente do tristíssimo destino deste país.
    Isto, para resumir a questão em 3 brevíssimas frases. É que esta "estória" levaria milhares de escabrosas páginas para ser bem contada.

    Júlia

    -Sabe, 1143? Eu também estou a pagar a factura do que não gastei, não comprei, não comi e não bebi...Mas não agradeço aos pulhas que enriqueceram da noite para o dia e que continuam numa boa a gastar o que me/nos pertence.

    ResponderEliminar
  9. o agradecimento é irónico , pensei que se percebia , http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/actualidade/perigo-na-linha-de-sintra

    um relato de dois jornalistas , mas vivemos ou não vivemos melhor ? realmente desde 74 animação não nos falta !

    ResponderEliminar