quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Avenida das Mamudas,por Júlia Ribeiro



SAFO/SOFA
Há pouco, num círculo de amigas e por se falar de escultura, lembrei-me  da minha entrada na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em Outubro de 1956. Era tudo muito grande,  tudo muito novo. A Wikipédia informa-nos que  “A nova Faculdade de Letras, construída em 1945-1951, e respectiva envolvente escultórica constituem uma das expressões mais acabadas da arte de cunho totalitário do Estado Novo” .
As estátuas eram de facto desmesuradamente grandes. Soube depois que representavam (da esquerda para a direita) a Eloquência, a Filosofia, a História e a Poesia. 
Ainda andavam trabalhadores a acabar a montagem das estátuas, pois estas vinham em bocados numerados em caixotes.  À primeira vista a tarefa não era difícil. Quanto aos pedestais, não havia problema, porque eram todos iguais. Era apenas necessário  colocar neles  os nomes.  Para tal,  havia que encaixar os cubos de granito com as respectivas letras.  Tudo facílimo. Só que a POESIA era representada pela poetisa  grega  SAFO .  Os trabalhadores olharam para o nome, olharam para a estátua ... 
MAMUDAS
“O quê? Com umas mamas tão grandes, os engenheiros enganaram-se na ordem das letras” .  E corrigiram, pois claro:  SOFA .
Havia quem fosse de propósito ver e fotografar a SOFA. Até acorreram mais turistas.  Mais tarde o erro foi corrigido...
E termino dizendo-vos que aquele largo entre a Faculdade de Letras e a Biblioteca Geral  (que dá acesso à Via Latina)  passou a chamar-se Avenida das Mamudas,  pois havia  (e há)  várias estátuas aprumadas, hieráticas, sem expressão, sem vida,  mas com enormes seios nus.

 Julia Ribeiro , 06.09.2012

5 comentários:

  1. A Poesia representada por Safo, átrio da Faculdade de Letras da UC (1951). Escultura de vulto de Barata Feyo.
    Um dos dados mais curiosos no programa decorativo das obras da Cidade Universitária de Coimbra/Polo I, edificada durante o Estado Novo, é o tratamento aleatório conferido às obras de arte que pretendem representar saberes académicos ancorados em alegorias, atributos e emblemas de raiz greco-latina. Raramente os saberes são representados pelas alegorias greco-latinas, opção aparentemente estranha, pois os artistas convidados trabalharam com base em informações prestadas pelos lentes de Letras, Medicina e Ciências. Dir-se-ia que houve uma opção pelo partido medieval conhecido através dos frescos da época e dos programas das portas das catedrais que figuram as Artes Liberais e alguns dos saberes entretanto integrados nas escolas maiores das universidades europeias.
    Virtual Memories

    ResponderEliminar
  2. Safo / Sofa : tá muito boa !

    ResponderEliminar
  3. A menina Júlia é o máximo..a sua vida é tão rica...abençoado sentido de humor, abençoada memória e maravilhoso o seu dom de escrever...já me enchi de rir porque estou a imaginar aqueles homens a fazer a troca dos nomes..Obrigada menina Júlia.

    ResponderEliminar
  4. Aqui está uma pessoa muito simpática que me chama " menina " ,,, Fiquei desvanecida e muito grata.

    Um grande abraço para o/a amigo/amiga anónimo/anónima que é tão gentil.

    Júlia

    ResponderEliminar
  5. Avenida das Mamudas... só em Coimbra ...

    ResponderEliminar