sábado, 29 de dezembro de 2012

RETORNADOS E ENGANADOS



Adérito Valverde, 78 anos , natural de Vales ,concelho de Alfândega da Fé, embarcou para Angola em 1953.Empregado e mais tarde patrão de uma cantina/restaurante em Cazombe, Quanza Sul. Regressou em 1975, trazendo dentro da mala alguma roupa e 400 contos, resultado de 23 anos de trabalho. Em Lisboa disseram-lhe que o dinheiro não valia nada, e o IARN deu-lhe 5 contos para regressar a casa. Trabalhou como empregado na Pastelaria Domus, em Bragança,durante 21 anos .Vive em Vales, aldeia com 42 habitantes.

4 comentários:

  1. Obrigatório ler para entender:
    «Os retornados que conheço e de que posso falar foram os mais injustiçados. Os bem-sucedidos seriam bem-sucedidos em qualquer parte do mundo porque eram pessoas muito fortes e capazes. A maior parte não foi muito bem-sucedida, só que dos fracos não reza a História. [...] Pensei numa proposta de reflexão sobre a perda, sobre o que terá sido o colonialismo, nas suas raízes mais subterrâneas. [...] Nunca deixei de ser uma retornada.»

    Dulce Maria Cardoso, em entrevista a Carlos Vaz Marques, sobre o seu mais recente romance: O Retorno (Tinta-da-china). Obrigatório ler.

    ResponderEliminar
  2. Um video de VALES:
    http://www.youtube.com/watch?v=mlyhlC0zKho

    ResponderEliminar
  3. É difícil de acreditar. Que Estado é este?

    ResponderEliminar
  4. Não é Cazombe mas sim Cassongue, uma aldeia do Distrito do Kuanza Sul,entre as atuais Uko e Huambo.
    A propósito, para a aldeia deste senhor (Vales, Alfândega da Fé) "retornou" também e aí faleceu, um homem chamado Adalberto Lopes de Almeida e a esposa D. Etelvina, titulares de uma fazenda de hectares a perder de vista na Quibala, a meio caminho entre as atuais Sumbe e Lobito.
    Paz às suas almas.

    ResponderEliminar