domingo, 13 de fevereiro de 2011

URROS -CASA DA PARREIRA II

DR. António Marcelino Durão, grande filantropo, digo, o amigo dos pobres e necessitados!
Arinda Andrés

Janeiro já se demorava a lavar os dias na luz branca e fina, ténue, a sumir-se no cinzento, opaco e denso do mês de Dezembro; e os passarinhos, em vagos e imprecisos voos, juntavam-se, tímidos e ainda inseguros, sob um azul do céu esbranquiçado, de fiapos ondulantes e acastelado de nuvens; era um dia frio de inverno, e o velho Tomaz, do Cimo do Povo, engolidas as duas garfadas de migas, à pressa, de taleiga pouco abonada, presa à cintura, caminhava, de rosto enterrado no chão, cosido na negrura da tristeza e da doença, ali pela Fonte Nova, de pedras húmidas, esverdeadas de uma manhã gelada, ainda encostada ao códão e aos sincelos do rigor do Inverno. Levava um mundo de canseiras e torturas a pesar-lhe nos ombros, submissos e acorrentados a um destino cruel e inevitável.
O Dr. juiz, de olhar atento a tudo e a todos, indagante, sempre, ali à porta de sua casa, um bigodinho fino, observava, sentindo, e tentando compreender, o despertar da aldeia, no subir e descer de escadas, as humides escaleiras de xisto, hoje gastas, tortuosas e velhinhas, que saudades, meu Deus!,no abrir e fechar da porta de casa, e da “loje”,no albardar das bestas, a engolir o tempo no bater das ferraduras nas pedras da calçada; tudo isto, próprio da azáfama das gentes, a viver pela terra e da terra, no mourejar árduo do dia-a-dia.(Continua nos comentários)

7 comentários:

  1. CONTINUAÇÃO:
    E vendo assim o Tomaz, tão vergadinho de trabalho e de tristeza, exclamou, « Então onde vais, homem, com um frio destes e tão mal agasalhado, entregando-te assim às vergastas do códão e da geada?», levantando os olhos do chão e poisando-os nos do juiz, a beber a luz da coragem e da esperança para a vida, respondeu-lhe o velho Tomaz, num encolher de ombros conformistas: «Ó senhor Doutor Juiz, então,… vou ganhar a jeira. Tenho a mulher doente, de cama…». Era um dia frio, de inverno gelado. António Marcelino Durão, sustentava, num corpo frágil, o que toda a gente proclama ainda, uma alma grande e generosa!,a aragem fina e arrepiante, crestava a terra e a vegetação, rara e indefinida, a irromper por entre as pedras da calçada. Atónito e titubeante, um; firme, assertivo e determinado, o outro, ambos se olharam, olhos nos olhos, «Toma, homem, veste este casaco, e endireita-te, a ver se deitas a vida para a frente!». E compunha, passando as mãos generosas, useiras e vezeiras de boas práticas, em prol das necessidades dos fracos e desvalidos, o casaco de um juiz, nos ombros cansados e sofridos do velho Tomaz, como mãe a filho do coração extremado que, incrédulo, sem saber o que dizer ou fazer, permanecia atado na sua humilde condição de jornaleiro, mas enaltecido no abraço fraterno, solidário e amigo, de alguém tão distante da sovinice bolorenta e mesquinha de outro tempo!
    Mas, já na soleira da porta, o Dr. juiz rodopiou, voltando-se de imediato , como arrependido de grandes e insanáveis males e, bem próximo do Tomaz, numa voz paternal, sem alarido, discretamente, metendo a mão ao bolsinho do colete, já que sem casaco ficara, acrescentou: «E toma lá, vai-te mas é para casa, para junto da tua mulher... e deixa lá a jeira!» Embasbacado, o velho Tomaz, do Cimo do Povo, apenas balbuciava:«Ó Senhor Doutor Juiz!... Ó Senhor Doutor Juiz!»
    E entrou em casa, dizendo, numa expressão acalorada de bondade e de satisfação, Vai estar um rico dia! e eu até me esqueci do casaco; mas a verdade, é que, a mim, não me faz falta. Boquiaberta, a criada, a Senhora Ana, logo tudo adivinhou; e, maquinalmente, tentava compreender aquele vício, de ajudar os outros, de dar, sempre, mais do que lhe pediam; e não percebia, viria a entender, mais tarde!...
    O juiz, serenamente, encaminhou-se para o seu quintalzinho, no costume,e já arreigado hábito de, a pouco e pouco, ir limpando as ervas daninhas, para que as boas sementes, livremente, despontassem ao longo da vida!

    Arinda Andrés, A CASA DA PARREIRA

    ResponderEliminar
  2. Cada vez mais saborosos os textos da Tininha.Obrigada pelos minutos de puro prazer que me deu a sua leitura.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  3. que texto delicioso... muito bem escrito, vou procurar um retrato desse juiz deverá haver algum por aí.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada a todos vós!
    A casa daparreira é o terceiro texto sobre o tema

    ResponderEliminar
  5. Uma história comovente . Um texto belíssimo!

    Tininha: aqui lhe fica um grande abraço .

    Júlia

    ResponderEliminar
  6. Senhor Paulo Patoleia por favor encontre uma fotografia deste senhor.Uma história bem escrita.Tem algum livro com estas história que aqui aparecem ?Se tem, diga,gostava de comprar um.

    ResponderEliminar