sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (25/02)


Igreja da Misericórdia
25.02.1645 – Em reunião de câmara “assentaram que se continue com a obra da igreja desta vila e que para isso se quebre logo a pedra necessária e se arremate a quem mais barato a queira quebrar”.
25.02.1759 – A Santa Casa da Misericórdia e a Academia dos Unidos promovem uma grande festa por o rei D. José ter saído ileso do atentado que sofreu.
25.02.1771 – Publicação de um decreto de extinção e venda em hasta pública da Real Cordoaria de Moncorvo, que havia sido criada por alvará de D. João IV. 25.02.1865 – Publicação de um alvará agraciando António de Carvalho e Castro Freire Cortêz com o título de fidalgo – cavaleiro. Em 28.4.1880 foi-lhe concedido o título de Visconde do marmeleiro.
25.02.1876 – representação dos habitantes de Carviçais pedindo a mudança da sede do julgado de Felgar para Carviçais.
25.02.1878 – Havia meses que os funcionários da câmara municipal não recebiam os seus ordenados. O presidente da câmara, por seu turno, dizia que a culpa era dos ricos de Moncorvo que não pagavam as suas contribuições e que entre esses ricos predominavam familiares e amigos de alguns dos funcionários. Certamente que o administrador, procurava manter o concelho em sossego e, para isso pediu ao governador civil que mandasse tropas para o efeito. Ao saber disso o presidente da câmara enviou o seguinte telegrama para Lisboa: - Exº Sr. Ministro do Reino – Sei agora que, com falsos pretextos, se requisitou uma força armada para esta vila. Alegam a falta de segurança. É aleivosa esta acusação. Sejam justiceiros e bem morigerados os empregados e eu respondo pelo completo sossego. É este o concelho mais pacato do nosso País. Homens que devem ao fisco e ao município avultadas quantias são os que desfiguram os factos a ver se assim deixam de pagar. Nada mais. Respondo a Vª Exª com a minha palavra de honra de que é verdade o que digo. Há completo sossego. O Presidente da Câmara, António Joaquim Ferreira Pontes.
25.02.1942 – Ministério da Economia pede à câmara as medidas de D. Sebastião para o Museu.
António Júlio Andrade

6 comentários:

  1. Alguém me pode explicar o que são as medidas de D.Sebastião?

    Maneldabila

    ResponderEliminar
  2. Antigamente existia em cada concelho uma colecção de pesos e medidas pelos quais se aferiam todos os outros existentes na área do concelho. Pois bem, a câmara de Moncorvo guardou durante séculos as medidas-padrão que lhe foram entregues no tempo do rei D. Sebastião e por elas se aferiam os pesos ou medidas para líquidos na área do concelho. Aliás,o cargo de aferidor só foi extinto há poucos anos. Aquelas peças têm um valor histórico-museológico muito grande... Não sei bem como é que os homens de Moncorvo as deixaram sair, se foi a título definitivo ou de empréstimo, tipo depósito, como parece ter sido o foral que foi "depositado" no Museu de Bragança, conforme resulta da acta da reunião da câmara que autorizou a "cedência" J. Andrade

    ResponderEliminar
  3. E como se pode recuperar o que foi cedido ou desviado?Parece que anda muito tesouro por fora.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  4. Será um assunto a estudar, começando por encontrar e analisar os documentos que estiveram na base da cedência. Depois saber se haverá vontade da parte de quem manda. A seguir, entabular negociações ou estudar as bases jurídicas...
    Outros monumentos há que eu não sei bem como poderemos obtê-los. Por exemplo: No Museu nacional de Arte Antiga estarão uns 7 "berrões" que o abade Tavares para ali enviou, certamente depois de os pedir ao dono da propriedade agrícola onde estavam, na Vilariça, no olival da Raza, junto à quinta de Vila Maior... Valeria a pena tentar sensibilizar o director do Museu, o Secretário de Estado e o Ministro para que nos dessem um para o nosso Museu?! De outro modo, não creio que haja qualquer hipótese...
    Este é apenas um exemplo.
    Outro exemplo poderá ser o espólio arqueológico do mesmo abade Tavares que o ofereceu ao Seminário de Bragança. Acontece que ali nunca lhe ligaram qualquer importância e nem sei se o terão nalguma arca fechada desde há cerca de um século. Será possível convencer o reitor do seminário e o bispo da diocese a devolver esse espólio ao nosso concelho, já que eles nunca lhe ligaram nada?
    Bom, estes são assuntos que me ultrapassam... J. Andrade

    ResponderEliminar
  5. E os serviços culturais da Câmara (desde o princípio do século passado) nada têm feito para reaver o que nos pertence? Lastimável!
    Se pode não parecer correcto reclamar o que foi cedido,seria legítimo tentar recuperar as preciosidades que nos foram roubadas.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  6. Eu não seria tão radical. Mas penso que alguma coisa poderia ser feita, em alguns casos e já tenho feito algumas propostas, em instâncias diversas, mas...!!! J. Andrade

    ResponderEliminar