segunda-feira, 4 de abril de 2016

Memórias Orais - Maria Margarida Morgado



“A nossa vila era uma vila com muita falta de água E depois um senhor, Almirante Sarmento Rodrigues, é que nos meteu a água cá em Freixo. Deus queira que a alminha dele esteja em descanso pelo bem que fez à vila, se não fosse ele não tínhamos a fartura da água”.

Podia ter sido corista. Era na Igreja onde melhor se sentia a cantar. Depois de casar essa vida parou, diz. “Quando passava na Praça olhava prá Igreja, chegavam-me aquelas saudades porque já não podia ir. Tinha outra vida já não podia ir, e depois olhava prá Igreja até se me soltavam as lágrimas”. O peso da dificuldade dos tempos poucas vezes deixava chegar aos sonhos e os caminhos eram por onde se pudesse ganhar “algum” para pôr comida na mesa e ver os filhos criados. Eram estes os dias, aos quais a maioria não podia fugir.

Maria Morgado é dos tempos difíceis. De não existir água e ainda assim ter que fazer todas as lides da casa.  “Naquele tempo de Inverno eram as geadas, a água gelava-se no ribeiro, tinha que a gente andar a bater pra desfazer o gelo, pra podermos lavar”. As dificuldades que lhe ficaram daquela época não deixam que se esqueça, nunca, do Senhor Almirante Sarmento Rodrigues como um grande benemérito “que trouxe a água para a sua terra”.

Hoje, aos 80 anos, as saudades de cantar são as mesmas e para que não esqueça vai dizendo umas recitas:

Meu pai, minha mãe
eu já não sou pequenina
vou à escola tão bem
porque há lá muita menina

Vamos contentes
Vamos estudar
Vamos à escola
A aprender a falar

Vamos que o dia
Nasceu mesmo agora
E pra lá chegar
É mais de uma hora

Diz com algum aperto que “antigamente não havia nada e hoje há tudo”. As distrações do trabalho eram livres, sem amarras. “Subíamos à torre, sem medo e eram assim as nossas brincadeiras”. Hoje vê que as mocidades são diferentes. Mas da sua nunca se esqueceu e diz que sempre que “o coração lhe puxar” irá continuar a cantar. 

Abril de 2015

Joana Vargas


Sem comentários:

Enviar um comentário