sexta-feira, 24 de junho de 2011

TORRE DE MONCORVO - FUTURO

Click na imagem para aumentar.

6 comentários:

  1. Há 20 anos não havia vinho engarrafado em Moncorvo.A Adega Cooperativa vendia a sua produção a granel.Noje existem no concelho 9 produtores privados que engarrafam o seu vinho,existindo mais de trinta marcas.Há uma geração de viticultores e enólogos que colocaram Moncorvo no mercado do vinho do Douro.
    Futuro risonho!
    Maneldabila

    ResponderEliminar
  2. Esta quinta não é dos espanhois?

    ResponderEliminar
  3. Boas notícias! que venham mais, para o progresso da nossa terra.
    A.ANDRÉS

    ResponderEliminar
  4. Se a quinta é dos espanhóis o meu carro é coreano, a minha televisão é japonesa, o meu frigorifico é alemão , o meu computador é de Singapura os programas americanos e a bateria chinesa. O meu telemóvel é da Noruega, a minha maquina de café é italiana, o café é uma mistura de café de Angola e de Timor, as uvas passas são da Turquia, as bananas de Las Palmas, o meu aftersave é francês, o whiskies é escocês o charro é marroquino importado da Holanda, e a raiva é transmontana.
    Dasberças

    ResponderEliminar
  5. Ao contrário do Maneldabila, eu receio que o futuro dos 9 produtores privados e das mais de 20 marcas não seja assim tão risonho... Aliás, penso que a curto prazo esse será um grande problema duriense. Tal como hoje o é em relação aos mais pequenos produtores que estão condenados a desaparecer... O amigo já reparou que nehum deles pode abalançar-se a um negócio de razoáveis dimensões, porque a sua produção não dará possivelmente para encher dois ou três contentores que um quaquer importador chinês ou americano queira comprar?... Aliás, sendo o Douro a nossa mais famosa região vinícola, em termos mundiais, não há nenhuma marca Douro entre as portuguesas que mais exportam, ao contrário do Gatão, Dão e outras marcas... Como costuma dizer o Coordenador da Missão Douro, Engº Ricardo Magalhães, é preciso ganhar escala para competir nos mercados... E o exemplo do concelho de Moncorvo, com seus 9 produtores... receio que caminhe no sentido inverso... Infelizmente tudo começou a acontecer quando a politiquice sabotou o mais interessante projecto elaborado pelas Cooperativas da região do Douro Superior baseado numa grande linha de engarrafamento na Teja... A história há-de julgar. Ou melhor: o julgamento parece ter já começado com a falência de algumas das Cooperativas que estavam no projecto e o abandonaram... ao canto de umas sereias que também não sabiam nadar... J. Andrade

    ResponderEliminar
  6. Ao amigo Dasberças direi apenas que o primeiro grande projecto vitícola inovador apresentado nesta região foi pelos anos de 1976 e se baseava na Quinta da Laranjeira (então comprada) e em capitais ingleses... Isso provocou abaixo - assinados, manifestações de protesto contra os capitalistas e exploradores estrangeiros e moções contra na Assembleia Municipal... Também aqui a história se há-de fazer: J. Andrade

    ResponderEliminar