quinta-feira, 30 de junho de 2011

CHAVES, MONTALEGRE - CONVITES


CLick nas imagens para aumentar

TORRE DE MONCORVO -1964

 





















Click nas imagens para aumentar.
In "Mensageiro de Bragança" (1964)

TORRE DE MONCORVO - ESCOLA INDUSTRIAL (HINO)

Click na imagem para aumentar.
Documento  cedido pelo professor António Joaquim Fernandes.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Urros, Retratos da minha infância,por Arinda Andrés

Minha bisavó Teresa! Minha bisavó velhinha!

...escaleiras velhas...

Dizem que eu era teimosa…
Não acredito; um pouco, talvez.
A hierarquia estava estabelecida, e não havia nada a fazer.
Numa casa cheia de mulheres, a harmonia do trabalho transparecia em conversas e afectos; em murmúrios de abelhas a zunir de união e de cumplicidade; no tinir das loiças e dos copos no armário, sobre velhas tábuas de soalho gasto e cansado; em risos e gargalhadas que se abriam no ar enquanto as galinhas, livremente, cacarejavam nas ruas e os galos cantavam vitória de breve reinado, quase sempre a acabar em panela de refeição simples, inesquecível e bem gostosa; em laços de amor, de colos e de mimos!
Era, pois, necessário, de vez em quando, lembrar, não fosse alguém esquecer-se…
“Obedece-se aos mais velhos! Os homens é que mandam!”,hum…,
ao que eu acrescentei, a sós com a minha bisavó, claro!,
“… mas aqui em casa, quem manda é a avó !
(… Meu Pai, sentado numa cadeira, de palhinha, onde o tempo se encarregara de registar todas as nossas marcas, olhava-me, como sempre, envolvendo-me na mais rigorosa expressão de absoluta protecção, porém eivada de austera generosidade e sabedoria, de amor, e de muito respeito!)
Minha bisavó velhinha tomou as minhas mãos, pequeninas, nas suas.
Naquelas tardes, tudo estava no seu lugar. Tudo era calmo e tranquilo!
As mãos de minha bisavó eram tão bonitas! A pele lisa, lisinha, brilhante, de tão macias que eram! Perdiam-se, demoradamente, afagando a minha cabeça, e tudo era perfeito !
E toda a gente dizia que o meu cabelo era macio! E eu bem sabia porquê!
Parece que estou agora a ver, como para me entregar algum segredo , as minhas mãos, guardadas nas mãos da minha bisavó, velhinha! de veias longas, salientes, azuis, bonitas! de rugas finas, em pele fina! bonitas! cheias de compreensão, de dádiva, de abnegação, de ternura, “não, ainda não fizeste bem esta letra…tens de fazer as coisas muito direitinhas, devagarinho…!”
” Não, em casa do avô, quem manda é o avô; em casa de teu pai, quem manda é teu pai”.
E com uma sabedoria cheia de amor, de paciência, de perdão, desenhada em longos caminhos, de veias azuis, bonitas! de rugas, de pele fina, bonitas! porque eram da minha bisavó!
” A avó só faz o que ele manda e pronto, ele não precisa de lhe dizer nada!
Eu, habitualmente, quase sempre, como herança natural e pessoalmente recebida , e depois hábito instituído que ninguém ousava quebrar, salvo pequenas criancices, acatava, ordeiramente, as regras; as coisas decorriam naturalmente, com pequenos sobressaltos, contudo… Mas agora, até me dá vontade de rir e tanta saudade, tanta saudade… meu Deus!,
E eu respondi de imediato,
-Pronto, eu agora faço tudo o que a avó Teresa me mandar e pronto! Elas não precisam de me dizer mais nada. (!!!…)
Nas escaleiras velhas e cansadas, trôpegas, de outras crianças, e de outras avós, mas minhas, o sol, sábio de conversas e de conselhos, veio poisar na minha cabeça, para doirar e amadurecer as minhas impertinências passageiras.
Naquele tempo, as palavras tinham tanta força!
Como fomos felizes! , sem o sabermos (alguém acrescentava)

Tininha, de Urros, Retratos da minha infância
Arinda Andrés

Ansiães regressa à Idade Média












Click nas imagens para aumentar

Carrazeda de Ansiães, nos dias 25 e 26 de Junho, regressou à Idade Média. O programa teve início dia 25 à tarde, na Zona envolvente do Pelourinho : abertura com arruada e cortejo pelo burgo; danças e folias; torneio de armas; saltibancos; comes e bebes nas tabernas .
A noite continuou com  mostra de armas pela Milícia de St.ª Maria; danças sarracenas e encantamento de serpentes; terminou com espectáculo de malabares de fogo sobre a lenda de Ansiães.
No Domingo, dia 26, a festa continuou no Castelo, com uma missa campal em Latim, com canto gregoriano / Medievus Chorus.
À tarde, de novo junto ao Pelourinho,  a arruada pelo burgo e a abertura da feira com animação circense ; toque a rebate e anúncio da revolta dos trabalhadores na reconstrução do Castelo.
Às 18:00 horas, no Casteloconcentração  das tropas reais sob o comando de Vasco Pires de Sampaio para repor a ordem e desalojar os trabalhadores entrincheirados no castelo. A seguir, já dentro das muralhas, deu-se início a um torneio de armas, terminando com o apaziguamento dos trabalhadores e regresso ao povoado para os festejos. 
Durante a noite,actuação musical das três culturas (cristã,judaica e muçulmana ).

Mais desenvolvimento no blogue "O Cantinho do Jorge", em:

TORRE DE MONCORVO - CONVITE


Click na imagem para aumentar

TORRE DE MONCORVO - REBOREDO

segunda-feira, 27 de junho de 2011

FELGAR - ESCAPARATE (XXX)

 Biografia


Rómulo Duque nasceu em Felgar, concelho de Torre de Moncorvo, em 1961, e ali passou a sua infância e juventude. Sempre esteve ligado à preservação das tradições e dos costumes locais que considera serem a fonte do saber e da aprendizagem dos povos, que assim contribuem para o crescimento da nossa Cultura colectiva. Quanto mais sabemos, mais e melhor podemos observar e respeitar as tradições que nos levam pelos caminhos do Bem, da Verdade e da Beleza.


Sinopse
O Último Oleiro” traz-nos à memória passagens do modo de vida das gentes do interior Norte de Portugal - uma região rica em tradições -, das artes e dos ofícios de que muitos dos habitantes se ocupavam, como o ferreiro, o ferrador o moleiro e o oleiro que, neste conto, é descrito através do testemunho de alguns jovens que acompanharam o terminar de uma geração de oleiros do Felgar. Com esta narrativa, o autor tenta trazer até aos dias de hoje as memórias e tempos passados, de forma a deixar às novas e às velhas gerações, a simplicidade do viver das gentes transmontanas e o quanto duros eram os trabalhos nessa época em que as pessoas se dedicavam principalmente às actividades agrícolas, mas também a outras profissões que envolviam a existência de uma peça de barro nem que fosse para poder encher de água na primeira fonte que se encontrava. O conto é também o registo da época em que foram produzidos os últimos trabalhos em barro moldados pelo último oleiro da freguesia, António Rebouta, tarefas em o autor participou e que decorreram durante alguns meses - desde o arrancar do barro ao tornear na roda, até à saída da fornada daquelas que seriam as últimas cântaras feitas em terras de pucareiros, moldadas pelo autor destas linhas e por António Rebouta, o ultimo mestre na arte do barro em Felgar.
Nota do editor: fotos e textos enviados pelo autor.
Mais em:
http://youtu.be/H5gaGBD0WbQ
http://www.sitiodolivro.pt/pt/livro/o-ultimo-oleiro/9789899734104/

sábado, 25 de junho de 2011

LARINHO - Primeira Comunhão

Click na imagem para aumentar.
Dia 23 de Julho foi dia de Primeira Comunhão na freguesia de Larinho. A foto tirada no final da cerimónia apresenta os meninos e meninas, juntamente com o revendo pároco e as duas catequistas.
Fotografia enviada por Foto Bento.

SÃO JOÃO NA VILA


 




















Click nas imagens para aumentar.
Uns versos de Júlia Barros "Biló"(1953) ; duas fotos do Camané(2010);um texto de A.Andrade em:
http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/06/torre-de-moncorvo-sao-joao.html.

Ribeira da Vilariça

 Click nas imagens para aumentar

Estas imagens da Ribeira da Vilariça  foram captadas junto à antiga ponte da Junqueira, onde o verde da vegetação, dos choupos e o branco da flor do embude prevalecem.

terça-feira, 21 de junho de 2011

sábado, 18 de junho de 2011

TORRE DE MONCORVO - IGREJA MATRIZ AO DEUS DARÁ

Click na imagem para aumentar.

TORRE DE MONCORVO - GDM, uma lição de bom senso



ABRIR O JOGO
A notícia tem dois dias e pouco eco: um clube de futebol de Bragança, o Torre de Moncorvo, abdicou da subida de divisão por falta de dinheiro. É uma notícia triste. É uma lição de bom senso. Tomara termos tido ministros das Finanças como os sócios do Torre de Moncorvo.
Comparar esta decisão com o corte de orçamento do futebol do Benfica para a próxima temporada é quase chocante. O corte de 3% nos gastos do Benfica não é austeridade alguma, mas mera contenção.
O Torre de Moncorvo foi campeão distrital na AF Bragança, conquistou no campo o que perdeu na tesouraria: o direito de subir à 3.ª divisão de futebol. A decisão foi tomada pelos sócios, que devem ter votado com um nó na garganta. Mas mostram ao país, e a outros clubes de futebol que se endividam até à falência final, o que é ter pés e cabeça em vez de mais olhos que barriga.
O futebol está cheio de histórias de loucura despesista, com suspeita de comissões que deram lucros aos intermediários dos (maus) negócios. Quando, antes do Euro’2004, houve a febre de construir estádios, muitas câmaras candidataram-se. A Câmara de Viseu recusou o convite. Carlos Cruz, então porta-voz da candidatura, chamou o edil viseense Fernando Ruas de tacanho para baixo. Ruas explicava que não saberia o que fazer ao estádio depois do Euro, nem como pagar os seus custos de manutenção. Ruas estava certíssimo. Que o digam agora as câmaras municipais de Leiria, de Aveiro e de Faro, donas de um jardim zoológico de elefantes brancos, caros e insustentáveis.
É assim que, de onde menos de espera, às vezes vêm as luzes da lucidez. Como então de Viseu. Como agora de Bragança.
PEDRO S. GUERREIRO -17 junho de 2011(in Record)

sexta-feira, 17 de junho de 2011

CEPIHS na Organização Europeia de História Rural (EURHO)

Fundada a Organização Europeia de História Rural / The European Rural History Organization (EURHO)

Por ocasião do congresso internacional Rural History 2010 (RH2010), que decorreu na University of Sussex, foi oficialmente fundada no passado dia 15 de Setembro a Organização Europeia de História Rural (EURHO).
A EURHO resulta da iniciativa conjunta de várias redes europeias de História Rural, nomeadamente CORN (Comparative Rural History of the North Sea Area), PROGRESSORE (Acção COST A35, Programme for the Study of European Rural Societies) e da Social Science History Association, com a participação de associações nacionais como a Sociedad Española de Historia Agraria e a British Agricultural History Society.
O objectivo principal da EURHO é promover a história rural na Europa através do apoio à investigação, ao ensino e à publicação, e tem desde já no seu programa a organização do RH2013. Pretende-se interdisciplinar e acolhe todos os estudos rurais que usem ou contribuam para a análise histórica. As temáticas do RH2010 abriram-se a questões emergentes, como a história das paisagens e as novas apropriações do espaço rural, as representações ficcionais, o associativismo rural e os movimentos sociais, o consumo, o género e o ambiente. Contou também com uma presença significativa de investigadores e de temas não-europeus, que pretende manter e acentuar na edição de 2013.
A investigação portuguesa esteve representada no RH2010 com 6 comunicações e 3 presidências de sessões, todas asseguradas por sócios da APHES.


Click na imagem para aumentar.

Estando o concelho de Moncorvo integrado no mundo rural,é de grande importância o CEPIHS fazer parte da EURHO. Devido à extraordinária relevância do acontecimento, aguardamos, da autora,dra.Adília Fernandes,a comunicação que apresentou no Encontro.

La Fuente de San Esteban-Barca D´Alva-Pocinho

Click na imagem para aumentar.

La Asociación de Frontera Tod@vía trabaja en la recuperación real y posible de la línea férrea La Fuente de San Esteban-Barca D´Alva-Pocinho.
(Continua nos comentários)


quinta-feira, 16 de junho de 2011

TORRE DE MONCORVO - MARTA PEDRO

Click na imagem para aumentar.
In JN de 11/04.
Marta Pedro tem ascendência moncorvense: é filha de Maria Fernanda Miranda Serrano,neta de Vitalina Miranda e bisneta de Aníbal Miranda e Camila Miranda.(Avó e bisavós residiam na Corredoura,em frente à capela de São Sebastião).

TORRE DE MONCORVO - VISTA PARCIAL

Click na imagem para aumentar.

MONCORVO - ANOS QUARENTA

Click na imagem para aumentar

quinta-feira, 9 de junho de 2011

CONVITE (Tempo de Fogo - La Bouba de La Tenerie,)

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (09/06)

09.06.1895 – Notícia do jornal O Moncorvense sobre o dólmen do Vilarinho da Castanheira que o padre Adriano Guerra tinha ido a fotografar:
- Foi tal a curiosidade que a presença do nosso amigo padre Guerra causou naqueles sítios quando foi photographar  aquele monumento pré-histórico, que alguns indivíduos vieram aqui, propositadamente indagar se porventura a mina estava lá enterrada e se haveria intenção de a desenterrar!! Por aqui se pode ver a sorte que o desgraçado monumento vae ter. Ao ausentar-se o nosso amigo, já alguns pategos andavam trepando às pedras, passando revista às juntas das mesmas, talvez para experimentarem se seria fácil o derrubá-las. Sempre a estupidez a fazer das suas proezas!...

António Júlio Andrade

Festa de Sta. Leocádia 2011 (Programa)

Dias 9, 10 e 11 de Junho, vai-se realizar uma vez mais a Festa da Santa Leocádia, em Torre de Moncorvo.

Click na imagem, para visualizar o programa em tamanho maior.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Alunos do 4.º ano visitam Santo Antão da Barca (Vídeo)


No dia 30 de Maio de 2011, alunos do 4.º ano da Escola Visconde Vila Maior de Torre de Moncorvo, de Alfândega da Fé e Mogadouro, na companhia de professores, funcionários e directores dos Agrupamentos de Escolas, deslocaram-se em visita ao Santo Antão da Barca, sendo-lhes mostrado o Santuário e explicado toda a sua História , bem como todo o processo de transladação, que está prestes a acontecer, devido à construção da barragem.
A Ermida  de Santo Antão da Barca, localizada no fundo de um vale, junto ao rio Sabor, território de três concelhos diferentes (Alfândega, Moncorvo e Mogadouro), a seis quilómetros de Parada - concelho de Alfândega da Fé,  vai desaparecer, ficar submersa, com a construção da barragem do Baixo Sabor, havendo assim necessidade de proceder à sua trasladação para outro local. O local escolhido, um morro sobranceiro na margem direita do rio, alto do Rebentão, obedeceu às preocupações da população e da Confraria de Santo Antão da Barca, no sentido de preservar a tradição e devoção dos milhares de pessoas que todos os anos, em Setembro, se deslocam ao santuário. A capela, casa dos milagres e a fonte serão trasladadas pedra por pedra, enquanto os restantes edifícios da área envolvente ficarão submersos, mas serão construídos outros, no novo local para as mesmas funções.