sexta-feira, 25 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - GDM (1976)

Fotografia da equipa de iniciados, campeões distritais, no ano de 1976. Participaram no Nacional de Iniciados na mesma época, defrontando grandes clubes. Em cima: Luís Alves, Hipólito, Tó Durão, Zé Barros, Fizé, Luís Ricardo, Diomar, Parreira e Teixeira (treinador).
Em baixo: Varela, João Marrana, Manuel Patrício, Pinto Pereira e Vítor Moreira.
Penso que tenha sido esta a origem de o glorioso GDM iniciar o enormíssimo trabalho de Formação de Jovens que hoje se desenvolve em Torre de Moncorvo.
Rui Hipólito

Júlia Barros e Assis Pacheco - Dois amigos de Moncorvo

Júlia e Assis
Cheguei a Coimbra em Outubro de 1956 para cursar Filologia Germânica, pois o meu pai achava que era um curso de futuro e era bonito uma senhora falar bem tantas línguas... Mas, dado que Coimbra era então considerada um antro de perdição e todo o cuidado era pouco, pôs-me num lar de freiras, na Rua da Matemática.

A verdade é que, para mim, que vinha lá das berças, a Universidade e até o ambiente do Lar (onde, entre estudiosas da sebenta, havia raparigas muito esclarecidas), era um mundo outro. Tive a sorte de ter três ou quatro professores muito, mas muito para lá do comum dos professores da universidade de então. Repare-se: no 1º ano tive em Filosofia Moderna o grande Joaquim de Carvalho. Foi o último ano em que deu aulas, pois estava quase cego; em História Moderna e História de Portugal, foi meu professor Damião Peres;em Grego, a Professora Rocha Pereira; e em Literatuas Inglesa e Alemã (principalmente poesia de Shakespeare, Goethe, Hölderlin e Rilke), o ilustre transmontano Paulo Quintela.
Paulo Quintela ia metendo umas biscas de política sempre que lhe era possível, e comecei a aperceber-me que no mundo não havia só a sebenta. Havia outros livros bem mais importantes. Não havia só a nossa terrinha e os nossos pais sacrificando-se a trabalhar para nos dar um curso. Havia homens e mulheres que lutavam pela liberdade de reunião e de expressão, aqui e noutras terras. Havia povos que queriam libertar-se, havia a guerra colonial.
Tive um colega que se destacou dos outros: o Fernando Assis Pacheco. Um dia ou dois antes das frequências batia-me à porta “para fazer revisões” . Para ele era a primeira vez que olhava para a matéria. E chegava. Não era aluno exemplar, pois nunca deu importância à nota . Mas tinha uma cultura superior à de nós todos, e posso dizer que aprendi muito com ele. Foi um bom amigo. Pela sua mão entrei no CITAC ( Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra) .
Na Queima das Fitas de 1959 , o nosso carro de “Novos Fitados”, por feliz ideia do Fernando Assis Pacheco , foi buscar inspiração a um poema de James Thompson: “O Castelo da Indolência” . Era na garagem da casa dele que o decorávamos, tentando fazer da camioneta um castelo , e lhe pregávamos flores de papel azul escuro . Só o acabámos de um lado. Obtivemos o 1º prémio pois, face ao título, o Júri achou que a ideia e a execução estavam excelentes. E à noite fizemos um lauto jantar(ver fotos).
Carro de Germânicas .Queima das fitas de1959
Também pela mão do Fernando fui, pela 1ª vez, a uma Assembleia Magna, ainda a Associação Académica era no Palácio dos Grilos, e a reunião teve lugar num amplo pátio traseiro, ao ar livre. Debatia-se o conteúdo da “Carta a uma Jovem Portuguesa”, de Artur Marinho de Campos, que saíra na “Via Latina” em Abril de 1961. O Fernando apontava-me os pides que por lá se encontravam, encostados às paredes. O assunto não se esgotou. Nova Assembleia Magna ficou marcada para daí a duas ou três semanas. Falou um estudante que eu nunca tinha visto. Gostei de o ouvir e perguntei quem era. “É o Guarda Ribeiro”, alguém respondeu . (Mal suspeitava eu que havia de ser o meu marido ). No final, quando íamos sair , encontrámos as portas fechadas. A pide tínha-nos trancado lá dentro e só deixava sair quem se identificasse. Recusámos. Éramos cerca de uma centena, mas só umas 10 raparigas. Os nossos colegas começaram a juntar-se cá fora: iam dar-nos força e levar-nos sandes ; içávamos os sacos da comida por meio de cordéis. Ao 2º dia cortaram a luz. Os colegas levaram-nos também velas. Ao 3º dia cortaram a água e o telefone. Foi muito mau: havia raparigas que entraram em pânico. Claro que tínhamos medo de represálias, até porque os exames estavam à porta. E nem queríamos pensar no desgosto dos nossos pais. O Guarda Ribeiro, o Bingre do Amaral, o Assis Pacheco e mais dois ou três, de que já não recordo os nomes, propuseram que se negociasse com a pide: todos os rapazes se identificariam, se as raparigas pudessem sair de imediato sem serem identificadas. E acabou por ser assim.
 Estávamos em Maio/Junho de 1961,  no ano anterior ganhara  a lista dos estudantes das Repúblicas para a Direcção da Associação Académica. Cabeça da lista: o Carlos Candal ( o menino querido das meninas das Letras). Por trás dele (e a empurrá-lo) , outros estudantes que não podiam aparecer às claras.
As freiras puseram-me no olho da rua...
E por aqui me fico, que a conversa já vai longa .

Júlia Ribeiro

quinta-feira, 24 de março de 2011

quarta-feira, 23 de março de 2011

,”(Re)Cantos d’Amar Morto”, de Pedro Castelhano (Rogério Rodrigues)

Teve lugar,no passado dia 19/03/2011, na Biblioteca Municipal,a apresentação,pelo Dr.Amadeu Ferreira, do livro de poemas de Pedro Castelhano,pseudónimo de Rogério Rodrigues,”(Re)Cantos d’Amar Morto”.Motivadas pela qualidade dos intervenientes,as pessoas vindas de várias partes do país encheram por completo a sala do auditório da Biblioteca.

Porque o acontecimento suscitou tanta curiosidade e interesse,transcrevemos na íntegra o texto de apresentação do dr.Amadeu Ferreira,assim como o do autor da obra.
 O VOO DO ENTARDECER NA GEOGRAFIA DA MEMÓRIA

1.Rogério Rodrigues fez-nos esperar quarenta anos até nos dar o segundo livro de poemas [Livro de Visitas, aos 23 anos]. Omito aqui os seus vastos pergaminhos literários, onde também se inclui a ficção [A outra Face da Morte, novela]. Fique nota, no entanto, de que são raros os jornalistas a seguir este caminho, onde avulta Fernando Assis Pacheco. Porém, este é o primeiro livro de poemas de Pedro Castelhano. Agora que, de algum modo, já não tem Peredo dos Castelhanos, Rogério Rodrigues transporta-o, com pouco disfarce, agarrado ao nome. E desde logo, por aí, ficamos situados e o terreno marcado.
António Baptista Lopes e a Âncora iniciam com este volume uma colecção de poesia. Exige-se alguma coragem para tal pois os poetas, quase todos, são gente que é perigoso frequentar. Estou certo que terá sucesso, pois não poderia ter começado da melhor maneira a Colecção Universos, com este poemário do seu director. A grafia é cuidada, a capa de um amarelo que talvez nos queira ofuscar para lá do conteúdo, porém sóbria e com pormenores muito agradáveis.
Para mim é uma honra estar aqui a apresentar este livro feito por amigos, mas sobretudo porque é um livro de poesia, em Moncorvo. Há dias escrevia no meu blogue, onde tenho traduzido para mirandês alguns poemas de Pedro Castelhano, que me pareceu mais alta a Serra de Reboredo, e o problema não eram os meus olhos. Agora acrescento que, nestes tempos de tanta dificuldade e incerteza e com assomos apocalípticos, o mundo não está completamente perdido enquanto a poesia morar entre nós.


O VOO DO ENTARDECER NA GEOGRAFIA DA MEMÓRIA

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (23/03)

23.03.1870 – Eleição do procurador de Moncorvo à Junta geral de Distrito – Eleito João José Dias Gallas com 9 votos contra 1 de João António Monteiro.

23.03.1876 – Uma das fontes envenenadas na Lousa pertencia a Francisco António de Almeida, começando a circular rumores de ele a envenenara porque queria vender cada cântaro de água a 5 réis, ou então proibir as pessoas de entrar dentro da propriedade onde a fonte estava. Quando soube que o regedor fora encarregado pelo administrador do concelho de tirar dali 2 garrafas de água para serem analisadas, ele fez os criados despejar a fonte.
António Júlio Andrade

terça-feira, 22 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (22/03)

22.03.1786 – Adjudicadas obras de carpintaria na igreja do Divino Santo Cristo de Moncorvo no valor de 159$800 réis ao carpinteiro António de Morais.

22.03.1906 – Reintegração, por ordem do tribunal administrativo, dos funcionários da administração Fernando João de Campos, amanuense, António Joaquim de Campos Lapa e Francisco António Macedo, oficiais de diligências, que haviam sido suspensos, por questões de cor política, em 27 de Dezembro de 1904.
22.03.1912 – Foram assaltados os estabelecimentos comerciais de António Joaquim Lopes (furtaram 54 000 réis) e de Abílio António Sousa Campos, em Moncorvo.

António Júlio Andrade

TORRE DE MONCORVO - FELGUEIRAS (1954)


segunda-feira, 21 de março de 2011

Capela de Nossa Senhora da Esperança

Quem segue de Moncorvo, pela EN 220, em direcção ao Pocinho, uns metros depois do cruzamento que dá para a Açoreira, repara numa pequena estrada que dá para a capela de Nossa Senhora da Esperança:
"Ermida rural em gótico tardio, de aparelho em alvenaria de xisto rebocado, sendo os cunhais em cantaria de granito. A fachada principal tem adossado um alpendre de planta quadrangular, suportado por uma parede no lado sul e por um pilar no lado norte. Sobre o portal de arco quebrado existe uma cruz pátea e, de cada um dos lados, uma pequena janela. A nave tem três contrafortes a norte. Sobre a empena da nave, ergue-se uma sineira, encimada por cruz.
Quem segue de Moncorvo, pela EN 220, em direcção ao Pocinho, uns metros depois do cruzamento que dá para a Açoreira, repara numa pequena estrada que dá para a capela de Nossa Senhora da Esperança
No interior destaca-se o arco triunfal, de volta inteira, decorado com motivos em pérola, pintados de azul e florões pintados de vermelho e amarelo, pinturas do século XVI. Ladeiam-no dois altares de talha, tendo o do lado do Evangelho as imagens de São Francisco e de Nossa Senhora da Assunção, e o do lado da Epístola a imagem de Cristo na cruz e uma pequena tábua pintada com a cena da deposição de Cristo no sepulcro. Na capela-mor, o altar-mor, em talha, ostenta imagem de Nossa Senhora da Esperança. Na capela existe ainda uma imagem em madeira de uma Virgem com o menino. Os tectos da nave e da capela-mor são em abóbada abatida. Os pavimentos são em lajes de granito, existindo diversas inscrições tumulares fragmentadas."
Da Nossa Senhora da Esperança consegue-se ter uma visão sobre grande parte da vila de Torre de Moncorvo e do Vale da Vilariça, podendo-se ,por isso, também considerar um óptimo miradouro.

Nota: Click nas imagens para aumentar 

MONCORVO -NUM MARASMO VERGONHOSO (1952)

Click na imagem para aumentar.
Jornal "ATorre" 1952

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (21/03)

21.03.1874 – A câmara encarregou o engº Sebastião Lopes de fazer um estudo de arranjo da Rua do Cano “uma das mais importantes desta vila pois é por ela que passa o aqueduto das águas potáveis e torna-se necessário estudar o meio de introduzir na mesma rua o cano condutor das águas pluviais”.
21.03.1791 – Reunião do juiz e homens do regimento da freguesia de Maçores “para efeito de se determinar um dia de caminho para se apanhar a pedra para a capela de S. Tomé e todos os que faltarem (…) pagariam 200 réis”. A capela então construída, da invocação de S. Tomé foi destruída para se fazer o cemitério da aldeia. O altar da mesma capela foi aproveitado e colocado na capela de Santa Cruz.
21.03.1876 – Ofício do administrador do concelho para o gov. civil: - “(…) Pelo comandante da força militar estacionada em Carviçais e por algumas pessoas das principais da povoação fiquei ciente do que se diz ali: logo que levantem os destacamentos há-de haver lutas entre os que foram obrigados a demolir as paredes e os que o não foram. A força militar não pode, a meu ver, estacionar por mais tempo ali pois está sobrecarregada quanto é possível a povoação e parece, por enquanto, não precisarem da coadjuvação dela a câmara ou a junta e nem uma nem outra corporação tem até hoje tratado de vir um acordo sobre a questão da propriedade, de forma que o povo, embora queira aforara, não sabe a quem…”
Moncorvo
Estas lutas aconteceram no seguimento da extinção do concelho de Mós e os populares se apoderaram de terrenos que eram do extinto concelho.
21.03.1896 – Criação de uma feira de gados no Felgar no dia 23 de cada mês e outra em Moncorvo no dia 25, transferindo-se a do dia 22.
António Júlio Andrade

domingo, 20 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (20/03)

Campos Monteiro
20.03.1912 – Ofício do delegado do procurador geral da república para o juiz de paz de Carviçais ordenando que prenda Martinho José, solteiro, jornaleiro e o envie preso para Moncorvo. “É conveniente que guardeis segredo disto e não descubrais nem ao vosso escrivão, nem ao vosso oficial de diligências, por ser provável que estes o avisem para fugir…”

20.03.1936 – Apresentação de um requerimento à câmara de Moncorvo por um grupo de pessoas, a maioria residentes no Porto, pedindo autorização para construir um monumento, cujo desenho envia, no passeio Alexandre Herculano, encimado por um busto de Campos Monteiro.

António Júlio Andrade

sábado, 19 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (19/03)

19.03.1774Jerónimo Sarmento do Lago nomeado professor da Escola de Ler, Escrever e Contar criada em Moncorvo pela reforma pombalina do ensino. Em Abril seguinte seria nomeado João Martins Rodrigues para o lugar de professor de Gramática Latina… e outros o seriam para dar Gramática Portuguesa, Retórica, Filosofia… Como se vê já existia em Moncorvo ensino ao nível do que hoje dizemos de Secundário!
19.03.1832 – Criação de uma Guarda Urbana “composta de pessoas moradoras na mesma vila que são tidas e conhecidas e decididamente devotadas pela causa da Realeza, por amantes de el-Rei, Nosso senhor D. Miguel I” comandada por Leopoldo Henrique Botelho de Magalhães para defesa da vila. O documento é assinado por muita gente e tem interesse para ver quem estava do lado dos Miguelistas. Tal como outros documentos produzidos em “revanche” mostram quem estava do lado dos Liberais.
António Júlio Andrade

sexta-feira, 18 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - TRAVESSA DAS AMOREIRAS (1977)











Click nas imagens para aumentar.
Fotografias enviadas por Fernando Garcia.

Capela de Nossa Senhora da Teixeira (Sequeiros - Açoreira)












Clik nas imagens para aumentar

A capela de Nossa Senhora da Teixeira, localiza-se em Sequeiros, freguesia da Açoreira. Uns metros, depois do cruzamento de Sequeiros  à direita, há um caminho em terra batida, em direcção à capela, encontrando-se esta no meio de um amendoal.
Esta capela tem uma arquitectura um pouco diferente da que estamos habituados a ver: "Ermida quinhentista constituída por uma nave rectangular antecedida por uma galilé. A cobertura curvada do alpendre encontra-se revestida com pinturas murais representando o Juízo Final. No interior, destaca-se uma sepultura datada de 1665." Do recinto à volta da igreja, perde-se a vista no horizonte, avistando os montes envolventes ao rio Douro. 

Para ver mais sobre Sequeiros click em: "Ao encontro de Sequeiros (Concelho de Torre de Moncorvo)"

quarta-feira, 16 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - 1976

Click nas imagem para aumentar.
Fotografia enviada por Fernando Garcia

PALESTRA: Anúncio - Convite


A Associação dos Alunos e Amigos do ex Colégio Campos Monteiro de Moncorvo (AACCM) vai realizar no próximo dia 18 de Março de 2011 pelas 14h30 no polivalente da Escola Secundária Dr. Ramiro Salgado em Moncorvo uma palestra sobre o tema “Energias Renováveis e Não Convencionais – Mobilidade Eléctrica” proferida pelo Engº Técnico Oliveira Martins.


TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (16/03)

Larinho
16.03.1911 – Por ordem do administrador de Moncorvo, deslocou-se ao Larinho o senhor António Alberto Carvalho e Castro a fazer uma sindicância à Junta de Freguesia. Não conseguiu realizar a sindicância porque a Junta amotinou o povo que saiu todo a apupar o sindicante.

António Júlio Andrade

terça-feira, 15 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (15/03)

15.03.1903 – Foi publicado o nº 129 do jornal Torre de Moncorvo, órgão do partido progressista da terra. Vejam um naco de uma prosa nele publicada:

- Disparate Ofensivo – Causa náuseas, revolta os menos acérrimos pugnadores da decência e moralidade, o descaro, o desassombro com que um reles pequerrucho de batina, encanzinado e inexperiente boneco, nuns aranzéis insípidos, mesmo toscos, sem forma nem regra, enxovalha indecorosamente o carácter recto e illustrado do meritíssimo Juiz de Direito desta comarca, dr. José Joaquim Pinto!
Diga-se que o pequerrucho de batina era o dr. Artur Lopes Cardoso, jovem advogado e líder do partido conservador em Moncorvo. Por outro lado, o Juiz Pinto, mais conhecido por Doutor Lambaças, era considerado pelos conservadores como a alma danada dos progressistas locais.
António Júlio Andrade

TORRE DE MONCORVO - TRÍPTICO DA IGREJA MATRIZ (1957)

Click nas imagens para aumentar.

Postal em venda no site www.delcampe.net

segunda-feira, 14 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (14/03)

Sítio da Laranjeira
14.03.1822 – Francisco de Sousa Lereno, procurador do cónego da Sé de Braga Gaspar Francisco Soares Borges Maciel faz pagamento de sisa de uma terra com oliveiras no sítio da Laranjeira comprada a Luís António Sequeira e suas irmãs D. Perpétua da Felicidade Sequeira e D. Rita Revocada Rosa Sequeira, desta vila, assistentes em Lisboa.

14.03.1916 – Encontrava-se de férias em Moncorvo o 1º sargento Álvaro César de Meireles, em vésperas de partir para uma comissão em Moçambique, quando foi promovido a alferes.
António Júlio  Andrade

TORRE DE MONCORVO -1940/50


Click nas imagens para aumentar.
A fotografia da esquerda foi enviada por Fernando Garcia ;a da direita pertence ao acervo do N.M.F.D.S.

quarta-feira, 9 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES ( 09/03)

Cilhades no rio Sabor
09.03.1740 – Extracto: - “A esta câmara, por aviso aos principais da nobreza e toque dos sinos aos moradores do povo, se juntaram os abaixo assinados e propondo-se-lhe a provisão que fizeram os moradores do lugar do Felgar para se fazer uma ponte em Cilhades no rio Sabor…” – Por aqui se vê que os habitantes do Felgar lutaram durante séculos pela construção da Ponte de Cilhades. Naquela ocasião, contavam com o apoio do poder central mas não com o da gente de Moncorvo.
09-03.1869 – Adquirido um Santo Cristo de marfim para o altar-mor da igreja matriz “por ser uma imagem muito própria”
09.03.1907 – Representação das câmaras de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta sobre a crise da vinicultura da região.
09.03.1912 – Carta da câmara dizendo: - “O facto de terem transportado o carro que esta câmara tem para o lançamento dos dejectos, para o centro da praça pública e ali o deborcarem com grande estrondo, fazendo o despejo no pavimento que ficou num estado imundo e deixando ali o mesmo carro voltado, para maior escândalo (…) um dos apontados é o director de um jornal daqui onde tem tentado meter a ridículo a inovação da fossa…”
09.03.1920 – Ofº do administrador do concelho para o delegado do procurador da república: - “Acaba de se apresentar perante mim o senhor José Caetano, solteiro, maior, comerciante em Carviçais, queixando-se contra o povo daquela freguesia dentre o qual se salientam as pessoas abaixo designadas, pelo facto de estes lhe assaltarem a casa com o fim manifesto de o roubar, o que efectivamente fizeram, cercando-lhe a casa, que apedrejaram e arrombaram-lhe duas janelas, uma porta e o telhado. Quando uma enorme multidão de gente se preparava para entrar dentro de casa, alguém lhes falara pedindo-lhes que não entrassem, pois que os comerciantes lhe dariam voluntariamente alguma coisa. Ouvindo o tal pedido e recebendo das mãos do queixoso 2 sacos de arroz, dando os outros comerciantes farinhas e outros géneros e até dinheiro…” Seguem 14 nomes.
António Júlio Andrade

terça-feira, 8 de março de 2011

FELGAR - AS FOLIAS DO ENTRUDO (1998)



















Click nas imagens para aumentar

TORRE DE MONCORVO -EFEMÉRIDES (08/03)

08.03.1760 – A câmara de Moncorvo informa favoravelmente a petição de um munícipe da Cabeça de Mouro dirigida ao governo central para construir um forno de cozer pão mas com as seguintes condições: pagar 300 réis por ano ao concelho; não deixar cozer pão a outra gente, nem mesmo vizinho ou parente.

08.03.1907 – O município e a direcção dos caminhos-de-ferro chegam a acordo sobre a exploração das águas no sítio do Mendel.
António Júlio Andrade

segunda-feira, 7 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (07/03)

Campos Monteiro
07.03.1611 – O rei ordena que a chave da “casa da água” que abastece a vila de Moncorvo e o convento de S. Francisco seja entregue ao Juiz de Fora. Antes estava na posse da câmara. Pelos vistos, nesta contenda, os frades levaram a melhor.

07.03.1643 – Deliberado em câmara que “o retábulo velho que se tirou do altar-mor da igreja desta vila se coloque na capela de S. Sebastião, o que for necessário e o restante vá para a ermida de Santiago”
07.03.1876 – Nascimento de Abílio Adriano de Campos Monteiro, acaso o maior vulto das Letras de Torre de Moncorvo.
07.03.1885 – Apresentada uma “representação na câmara municipal por muitos proprietários notando a falta que fazia a Aula de Instrução Secundária que foi mandada fechar pelo Governo em 1880 (…) propondo que se pedisse a criação de uma Escola Municipal Secundária”.
07.03.1910 – Tomada de posse do administrador do concelho (um dos últimos da monarquia) Abel Adriano de Almeida Gomes.
07.03.1915 – Posse de Acácio Santiago – o papa balas - do cargo de administrador do concelho.

António Júlio Andrade

domingo, 6 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (06/03)

Artur Adriano Pires
06.03.1785 – Extracto: - “Atendendo a não ser conveniente a Roda dos expostos estabelecida nas casas da cadeia desta vila, sendo rodeiro o carcereiro da mesma, houveram por bem, atendendo a estar muito público, se assalariasse, e com efeito assalariaram e elegeram a Manuel Rodrigues e sua mulher, Maria da Conceição, parteira desta vila, para rodeiros dos mesmos expostos, por serem moradores contíguos à Santa Casa da Misericórdia, sítio escuso e cómodo para a Roda, a qual também determinaram que o procurador a mandasse fazer sem perda de tempo….” No dia 31 de Março seguinte foi deliberado que a Rodeira teria direito a receber por cada criança que fosse depositada na Roda, pelo trabalho de a receber e entregar à ama que for destinada a quantia de mil réis.

06.03.1928Artur Adriano Pires escreve para a Polícia de Segurança Pública do Porto pedindo que detenham Benjamim José de Almeida e sua mulher que vão embarcar para o Brasil, com fundamento que o terão roubado… Esta carta daria causa a uma investigação prolongada e integraria a luta política entre o Capitão Marcos e Artur Pires, ambos do Felgar e pessoas de relevância política na área do concelho naquela época.
António Júlio Andrade

sábado, 5 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES ( 05/03)

Carviçais
05.03.1569 – Alvará régio concedido ao mestre António Fernandes para que “os bois de carro e bestas (…) possam beber em quaisquer águas que houver no termo de Freixo de Espada à Cinta” enquanto durarem as obras que andava fazendo no castelo desta localidade. Várias outras obras foram construídas por este arquitecto e empreiteiro de torre de Moncorvo na região, nomeadamente a Ponte do Carril, também em Freixo de Espada à Cinta.
05.03.1826 – No concelho de Mós existia então uma escola de primeiras letras e que funcionava na sede daquele concelho, sendo professor João Ferreira de Carvalho. Nesta data, o governo transferiu a escola de Mós para Carviçais, mantendo-se o professor.
António Júlio Andrade

quinta-feira, 3 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (03/03)

Visconde de Vila Maior
03.03.1735 – Documento: - “Diz Tomé de Morais da Silveira Lobo (…) tomou posse real e actual do morgado que nesta vila e seu limite possuía seu primo António Machado Silveira Lobo que consta de uma quinta chamada de Isabel Loba… e de um olival onde chamam o Pombal e outro onde chamam o Prado…

03.03.1862 – Decreto de nomeação do Visconde de Vila Maior para presidir à Comissão Portuguesa para a Exposição Universal de Londres.
António Júlio Andrade

terça-feira, 1 de março de 2011

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (01/03)

01.03.1759 – Grandes manifestações de regozijo, promovidas pela Academia dos Unidos, pelo rei D. José que saiu ileso do atentado ou pretenso atentado contra a sua vida.

general Claudino Pimentel
01.03.1823 – Os Miguelistas, seguidores do Conde de Amarante, capitaneados pelo padre Moncorvense José dos Santos Leal tomam conta da vila de Torre de Moncorvo, realizando-se solenes festejos. Quatro dias depois serão os Liberais, comandados por António José de Miranda e Luís Claudio de Oliveira Pimentel que fazem reverter a situação.01.03.1827 – As tropas Miguelistas, comandadas pelo brigadeiro Teles Jordão abandonaram Moncorvo e dirigem-se para Mogadouro. Três dias depois estariam na Quinta da Nogueira e dizimaram 80 cabeças de gado vacum e cavalar, propriedade da família do general Claudino Pimentel que a trazia aforada aos marqueses de Távora. As tropas Liberais comandadas pelo general Claudino, vindas de Mirandela, deram neste dia 1 entrada em Vila Flor e no dia seguinte em Moncorvo. António Júlio Andrade